Pular para o conteúdo principal

Deputados e vereadores sabem o que é Ideologia de Gênero?


Deputados estaduais e vereadores sabem o que é Ideologia de Gênero?

EM 03 DE JUNHO DE 2015 AS 13H34
Fonte: Orley José da Silva
É provável que a compreensão deles acerca do tema seja confusa e imprecisa, como é na sociedade. Sendo assim, é bom se informarem urgentemente sobre as intenções dessa ideologia. Isto porque esta matéria, que divide opiniões, estará presente nas discussões das assembleias legislativas e câmaras de vereadores até o próximo dia 24, prazo final para que sejam votados e sancionados os Planos Municipais e Estaduais de Educação (PME e PEE, respectivamente). 

O leitor deve ter acompanhado o debate acalorado que esta matéria provocou durante a tramitação do Plano Nacional de Educação (PNE) no Senado, em 2012, e na Câmara dos Deputados, em 2014.  De um lado, parlamentares governistas que defendiam o ensino da Ideologia de Gênero nas escolas; do outro, legisladores contrários liderados pelas frentes católica e evangélica do Parlamento. O Governo foi derrotado nas duas casas legislativas e esse conceito deixou de ser contemplado no texto final da Lei do PNE nº. 13.005/2014.

O lobby dessa ideologia conseguiu fazer com que ela surgisse, mesmo que indevidamente, no texto final da 11ª Conferência Nacional de Educação (CONAE), do Ministério da Educação (MEC). E é confiando no relatório dessa Conferência, onde aparecem os termos “Ideologia e/ou Identidade de Gênero,” “Gênero” e “Orientação Sexual” que prefeituras e municípios constroem seus Planos. Essa insistência tem o objetivo de normalizar o ensino que já faz parte da rotina pedagógica das escolas e dos livros didáticos e paradidáticos. 

Afinal, o que é Ideologia de Gênero? Trata-se de uma teoria que desconsidera as diferenças biológicas e naturais para a definição de masculino e feminino. De acordo com essa visão, nenhuma criança ao nascer é 100% menino ou menina, abrindo espaço para a variação de gênero. As crianças devem ser criadas e educadas de forma “neutra” para que elas próprias escolham seu gênero (de homem ou mulher) no futuro, independente do corpo que se tenha, pelo processo de construção social. Essa escolha, no entanto, nem sempre é definitiva porque é visto como normal o homem em um momento gostar de mulheres, noutro gastar de homens ou ainda gostar de ambos.

Na escola, não se pode chamar o aluno de menino ou menina, mas de criança. Roupas, banheiro, cores e brinquedos devem ser compartilhados igualmente pelos meninos e pelas meninas. Além do mais, estão previstos cursos de capacitação em Ideologia de Gênero para os professores, que deverão instruir os alunos e participar da conscientização das famílias para esta nova realidade. Estes cursos para professores, aliás, existem dissimulados em outros conteúdos no sistema público de ensino.

A professora Ângela Soligo, da Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) entende que os gêneros devem ser debatidos com as crianças em sala de aula. Segundo ela, a criança precisa alargar os horizontes e obter conhecimentos diferentes daqueles recebidos em casa. Para tanto, “não se pode negar que o gênero diferente do sexo exista. A escola tem que fornecer ao aluno subsídios para que ela pense e construa suas próprias opiniões.”

Já as comunidades evangélicas e católicas, majoritárias na sociedade brasileira, para quem o sexo é determinado de forma natural no nascimento, não aceitam que a Ideologia de Gênero seja imposta aos seus filhos pelas escolas. Consideram essa possibilidade como invasão dos direitos deles como pais de educarem os filhos. Elas entendem que educação sexual é função das famílias, não da escola.

O discurso de resistência das famílias cristãs encontra apoio em algumas vozes. O juiz de direito Antonio Pimenta, de Guarulhos (SP), questiona a fonte dessa teoria: “Você querer colocar na cabeça de um ser humano que ele pode ser mulher se ele nasceu com corpo masculino é negar a biologia.” O pastor Franklin Graham tenta desconstruir o principal fundamento dessa visão ideológica: “Ensinar que não há diferença entre meninos e meninas nada mais é do que uma mentira. Somos diferentes porque Deus nos fez diferentes.” O Papa Bento XVI sintetiza a visão que é comum aos cristãos a respeito do tema: “De acordo com a ideia bíblica da criação, a essência da criatura humana é a de ter sido criada homem e mulher. Esta dualidade é um aspecto essencial do que é o ser humano, como definido por Deus. Esta dualidade, entendida como algo previamente dado, é o que está a ser agora colocado em causa.”

Em todo o país, secretarias municipais e estaduais de educação estão promovendo “audiências públicas” com o objetivo de colher subsídios para a elaboração de suas diretrizes educacionais, em cumprimento à exigência de regulamentação exposta no PNE. Depois de finalizados pelas secretarias de educação, os textos serão enviados às casas legislativas municipais e estaduais pelos prefeitos e governadores, respectivamente.

Durante as audiências públicas, o texto final da 11ª Conferência Nacional de Educação 2014 (CONAE) é bastante valorizado como fonte de consulta e reflexão por uma parte influente do ambiente educacional, principalmente aquela ligada aos sindicatos, movimentos sociais e a universidade. Acontece que esse texto do CONAE 2014 é fortemente marcado pela agenda da Revolução Cultural Marxista, lugar onde o Governo Federal se inscreve ideologicamente, e se coloca claramente contrário aos valores das culturas judaica e cristã, basilares da sociedade brasileira.

Sabe-se que prefeituras menores, principalmente, votam e sancionam seus PMEs sem discussão porque confiam no texto do CONAE 2014. Em outros casos, porque desconhecem a carga de sentido que há nos termos “Gênero”, de “Ideologia de Gênero”, “Identidade de Gênero”, “Diversidade Sexual” e “Orientação Sexual”. Em vista disto, há um esforço nacional realizado por católicos e evangélicos, principalmente, para evitar que as diretrizes educacionais sejam aprovadas com os termos rejeitados pelo Congresso na votação do PNE em 2014. A orientação é para que prefeitos e governadores não enviem para suas casas legislativas textos contendo as expressões ausentes no PNE. Caso os poderes executivos não tenham esta vontade ou cuidado, que o enfrentamento se dê nos parlamentos estaduais e municipais.

Instituições de peso se inscreveram na luta contra a Ideologia de Gênero nas escolas nos principais momentos da tramitação do PNE no Congresso: Frente Parlamentar Mista em Apoio à Vida e à Família, Senador Magno Malta; Frente Parlamentar Evangélica, Deputado Federal João Campos; Frente Parlamentar Católica Apostólica Romana, Deputado Federal Givaldo Carimbão; Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, secretário-geral Dom Leonardo Steiner; Canção Nova, Frente Parlamentar de Defesa da Família na Câmara Federal, Deputado Federal Alan Rick; Forum Evangélico de Ação Social e Política, pr. Wilton Acosta e pr. Valdery Alves; Instituto Flores de Aço, advogadas Damares Alves e Teresinha Neves, psicóloga Marisa Lobo e jornalista Cynthia Ferreira. 

Pessoas anônimas, cujos nomes jamais serão conhecidos do grande público pela militância nesta causa, mas que são pais, padres, pastores, além de psicólogos, professores, advogados e outros profissionais. Gente que tomou para si a responsabilidade de esclarecer a população e aos políticos. Vale lembrar, entre tantos, guardadas as suas proporções, a luta combativa dos padres Paulo Ricardo, Pedro Stepien, do pastor Silas Malafaia,  advogado Paulo Fernando, deputados Marco Feliciano e Jair Bolsonaro, prof. Felipe Nery e a psicóloga Deuza Avellar.

Na verdade, um trabalho voluntário, de formiguinhas, que mesmo descoordenado age para desmontar uma estratégia muito bem articulada, aparelhada e enraizada no governo por meio dos seus tentáculos na educação, cultura e propaganda.  Este tema tem o apoio da mídia e da intelectualidade secular, principalmente dos setores relativistas e marxistas. E tem o objetivo de doutrinar crianças em idade escolar, com a clara intenção de quebrar o paradigma de família tradicional.

A exemplo de quando o PNE tramitou  no Congresso, neste momento em que prefeituras e estados votam seus Planos de Educação, aumenta o espaço na mídia para a divulgação de questões ligadas à Ideologia de Gênero e Orientação Sexual. Essa propaganda que pode ter a intenção de influenciar a opinião pública e a decisão das casas legislativas se dá em programas de auditório, novelas, documentários, entrevistas, relatos de experiências pessoais e propaganda de mercadorias, bens e serviços. 

Com a intenção de contribuir para esclarecer a população e os políticos acerca da Ideologia de Gênero e suas possíveis consequências para o futuro da sociedade foi criada no facebook a página “Goiás Sem Gênero”. 

Embora ela seja uma página feita para Goiás, serve para qualquer estado da federação. Nela são depositadas informações acadêmicas, jornalísticas e notícias em forma de texto, imagens e vídeos. Além do mais, é abastecida de documentos jurídicos para este momento que foram produzidos nos últimos dias por deputados, vereadores e senadores. Estes documentos ficam disponíveis e servem para ajudar qualquer vereador ou deputado estadual que deseje fazer o mesmo tipo de defesa. Esperamos que vereadores e deputados estaduais estudem o assunto e votem conscientemente, de acordo com suas convicções, e também de olho na vontade do eleitorado que representam.

Orley José da Silva é professor em Goiânia, mestre em letras e linguística (UFG) e mestrando em estudos teológicos (SPRBC). E-mail: proforleyjose@gmail.com


Outros jornais em que este artigo está publicado:
http://www.folhadopovo.com.br/artigos/por-orley-jose-da-silva-deputados-estaduais-e-vereadores-sabem-o-que-e-ideologia-de-genero/
http://www.folhageral.com/artigos/2015/06/deputados-estaduais-e-vereadores-sabem-o-que-e-ideologia-de-genero/#axzz3g6l7xbE0
http://www.quatromarcosnoticias.com.br/artigo/ideologia-de-genero-nos-planos-de-educacao-estados-e-municipios


Comentários

  1. Cara, como vc fala bosta!!!
    Ngm precisou me ensinar a gostar de mulher para eu gostar de mulher... ninguém me falou que eu não posso gostar de homem e mesmo assim eu não gosto!! E se eu gostasse, isso seria problema meu, não da minha família ou seu!!
    No começo do texto vc diz que as crianças não poderiam ser chamadas de meninos ou meninas?? Quem disse isso?? Isso é invenção da sua cabeça pra fortalecer a sua causa!! Vc tb disse q as crianças teriam q dividir os brinquedos?? E qual o problema se um menino brinca de casinha e uma menina de carrinho?? A contrariedade q vc tem em mente é um pensamento extremamente arcaico, quando os homens dirigiam para trabalhar e as mulheres cuidavam de casa... as coisas mudaram!!! Todos trabalham e todos cuidam de casa!!!
    Pra finalizar, se preocupa com o seu que eu me preocupo com o meu e os gays se preocupam com os deles... Aproveita e compra um gato, que tem 7 vidas pra vc cuidar, já que gosta tanto de cuidar da vida dos outros...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vem cá! de que mundo vc veio? De qual civilização vc e? Vc não entende nada de família mesmo né rapaz? O homem viril ou a mulher que se presa defende o seu estado biológico não acho? Digo isso porque na sua posição vc não defende nem um nem outro! sinto muito em lhe falar que não exste os termos “Ideologia e/ou Identidade de Gênero,” “Gênero” e “Orientação Sexual” Que querem implantar dentro das escolas! Isso e coisa do diabo mesmo, e nos pais, irmãos, tios, avos, primos e outros temos o direito de se pronunciar contra esse absurdo satânico, vc e a favor do bem da sociedade em geral ou e contra? Quando se nasci com um corpo masculino o seu sexo e masculino, quando se nasci com um corpo feminino o sexo e feminino ora essa.
      Nasci com um corpo de macho vou ser macho eté morrer Deus me fez assim porque eu vou mudar aquilo que o próprio Deus fez.
      No entanto nas escritura sagradas esta escrito que quem foi feito por primeiro foi o homem, e agora porque que alguém se enche de razões e diz que depois que nasci e que quem afluído por pessoas com um pensamento forjado pelo diabo vem dizer que quando a pessoa já esta entendido e que tem escolhas de definição de sexo? VC e outras pessoas que não são capazes de se enxergarem no sexo que Deus os criou! se não podem ajudar formar caráter, para que as pessoas se ver no sexo que Deus os criou não fiquem colocando com seus pensamento errôneos confusão na cabeça daqueles que querem ter um bom proceder.

      Excluir
  2. Deus criou homem e mulher, no entanto, muitos nao querem seguir o que há milênios já estava escrito, nao aceitam a verdade da palavra de Deus. E agora querem impor a sociedade mudança de conceito homem e mulher. Assim não é justo! Respeitem as pessoas e a dignidade humana, não a violência. Façam o quiser de suas vidas e não atropelem o próximo. Eu nasci mulher, vou morrer mulher.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Quando a família do aluno processa a escola por danos morais

Conheça dois modelos de "notificação extrajudicial" que poderão ser usados no relacionamento entre a família e a escola, no sentido de proteger o aluno especialmente contra a doutrinação política, partidária e de gênero.




O Procurador da República Guilherme Schelb desenvolveu um modelo de "notificação extrajudicial" para que pais e/ou responsáveis protejam os filhos contra o ensino da Ideologia de Gênero pelas escolas. Por este simples documento, escolas e professores são notificados pelas famílias de processá-los por danos morais pelo ensino dessa ideologia que visa, através da educação, promover uma revolução sexual e familiar. Isto a partir das crianças e adolescentes.
Caso professores e escolas se recusem a assinar o documento, há duas atitudes que os pais e/ou responsáveis poderão tomar para que o documento tenha validade jurídica. A primeira, é dirigirem-se ao Cartório de Registro de Títulos e Documentos com o nome e endereço da escola, para que a escola seja c…

Tábata Amaral aparece em livro didático do MEC de 2020

Esta é a primeira de uma série de 14 postagens que este blog realiza sobre ocorrências "questionáveis" nos livros didáticos reconhecidos pelo MEC/2020, anos finais do Ensino Fundamental, com validade para um período de 4 anos: 2020 a 2023. 



O livro de Língua Inglesa "BECOME", da Editora FTD, do PNLD 2020, cuja coleção tem o código 0357P20092, é destinado ao 7º ano do Ensino Fundamental. Ao longo das páginas 18-31, apresenta uma lição que trata da importância da Língua Inglesa para a inserção social e a formação de cidadãos globais, em consonância com a Base Nacional Comum Curricular (BNCC).
edital de convocação 01/2018 SEB/MEC  deu origem a este livro. A finalização do processo de escolha deu-se por meio da Portaria nº 27/2020 SEB/MEC PNLD 2020. Um edital que teve início no governo Temer e terminou no governo Bolsonaro.
Leia:  Editais de materiais didáticos que se estendem até 2023
O livro propõe ao aluno não somente a leitura mas também a reflexão sobre perfis public…

ONG feminista "Católicas pelo direito de dedicir" em livro didático do MEC para 2020

Esta é a quarta de quatorze postagens que este blog apresenta sobre alguns temas abordados pelos livros didáticos recomendados pelo MEC (PNLD/2020) para os anos finais do Ensino Fundamental  (6º ao 9º ano), com validade de quatro anos: 2020 à 2023. 
Leia antes as três postagens anteriores ( a 1ª , a 2ª  e a 3ª. )

O movimento feminista nos livros didáticos de 2020
Trata-se da primeira remessa de livros em conformidade com a versão homologada (dez/2017) da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) para a Educação Infantil e o Ensino Fundamental, crianças de 0 a 14 anos. 



O objetivo desta postagem é mostrar a presença da ONG feminista Católicas pelo Direito de Decidir no currículo dos anos finais do Ensino Fundamental, em páginas de um livro de Língua Inglesa   do PNLD/2020.

É de conhecimento público que esta ONG não conta com o apoio oficial da Igreja Católica Romana. Composta por um grupo minoritário de autodeclarados católicos, tem como pauta principal a defesa do aborto.

No entanto, no seio da…

A BNCC em um voo de galinha da direita brasileira

No final de 10 anos, praticamente toda a população brasileira abaixo dos 25 anos terá sido escolarizada em conformidade com os desdobramentos da Escola de Frankfurt), o universalismo cultural e a Agenda 2030 de desenvolvimento sustentável da Unesco.



Prevista em Lei,[i] a Base Nacional Comum Curricular (BNCC),[ii] obrigatória para a Educação Infantil e o Ensino Fundamental (crianças de 0 a 14 anos) de todas as creches e escolas públicas e privadas, com validade a partir de janeiro de 2020, foi aprovada pelo Conselho Nacional de Educação (CNE)  no dia 15 de dezembro de 2017 e homologada cinco dias depois[iii] pelo Ministro da Educação (MEC), Mendonça Filho.
Os dois anos seguintes à homologação[iv] foram dedicados para: 1) ajustar os currículos de todas as creches e escolas do país à BNCC; 2) adequar os conteúdos dos materiais didáticos; 3) mudar as avaliações institucionais da Educação Infantil e do Ensino Fundamental; 4) reformular os currículos de licenciatura das faculdades e universid…

Engajamento político e militância no livro didático do MEC de 2020

O livro didático de 2020 amplifica e normaliza em sala de aula as discussões políticas e ideológicas. Mas vai além: com a alegação de despertar no aluno a consciência crítica, incentiva-o a engajar-se em movimentos sociais, lutas políticas e de classe. 





Com a atitude de fundamentar a crítica política e social em sala de aula infanto-adolescente, em conformidade com a Teoria Crítica, o PNLD/2020 dificulta iniciativas contestatórias da sociedade civil, a exemplo das associações de pais e do Escola Sem Partido. 




É importante observar a intencionalidade do jogo semiótico e semântico presente na construção dos capítulos dos livros. 
Não é aleatória a escolha de bandeiras, símbolos, cores, gestualidades das pessoas,  imagens e passeatas que se identificam com cenários de manifestações públicas organizadas pela esquerda política brasileira e internacional.
Também não é sem propósito ideológico a seleção de termos e palavras encontrados nos livros didáticos: militância, ativismo, cidadão crítico,…

Fake news no livro didático do MEC para 2020

Esta é a segunda de quatorze postagens que este blog apresenta sobre alguns temas abordados pelos livros didáticos recomendados pelo MEC (PNLD/2020) para os anos finais do Ensino Fundamental  (6º ao 9º ano), com validade de quatro anos: 2020 à 2023. 


Leia: Editais de materiais didáticos que se se estendem até 2023

Trata-se da primeira remessa de livros em conformidade com a versão homologada da Base Nacional Comum Curricular (BNCC).
Esse conjunto de postagens tem sido feito exclusivamente com livros de Língua Inglesa e Língua Portuguesa. Os livros das demais disciplinas serão analisados em outra oportunidade. 
Os livros são organizados em capítulos. Cada um deles, além de contemplar um aspecto gramatical é regido por um tema específico.  
Alguns dos temas recorrentes nos capítulos do 6º ao 9º ano são: fake news, aquecimento global, globalização, multiculturalismo, interculturalismo, gênero, feminismo, racismo, discriminação, cidadania global, direitos humanos, engajamento em protestos polít…

O movimento feminista no livro didático do MEC para 2020

Esta é a terceira de quatorze postagens que este blog apresenta sobre alguns temas abordados pelos livros didáticos recomendados pelo MEC (PNLD/2020) para os anos finais do Ensino Fundamental  (6º ao 9º ano), com validade de quatro anos: 2020 à 2023. 
Trata-se da primeira remessa de livros em conformidade com a versão homologada (dez/2017) da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) para a Educação Infantil e o Ensino Fundamental, crianças de 0 a 14 anos. 
O objetivo desta postagem é mostrar a presença do feminismo no currículo dos anos finais Ensino Fundamental, através de páginas escolhidas em 10 livros diferentes de Língua Inglesa e Língua Portuguesa do PNLD/2020.
Esta postagem, neste momento, não analisará pontualmente as páginas e imagens apresentadas, deixando essa tarefa por conta do leitor e dos especialistas em educação.  
A observação da existência de um modelo gradativo de ensino que vem desde a Educação Infantil permite supor que, ao final do Ensino Fundamental, os alunos terão c…

O que mais incomoda o conservador na BNCC?

O Censo Escolar (INEP/MEC, 2018) conta 36 milhões de alunos matriculados na Educação Infantil e no Ensino Fundamental, crianças de 0 a 14 anos. Estes dois grupos de alunos representam aproximadamente 17% da população brasileira.  
Em 10 anos, não será surpresa se a população abaixo dos 25 anos estiver próxima aos valores políticos e sociais encontrados em segmentos da Escola de Frankfurt, ao universalismo cultural e à Agenda 2030 para o desenvolvimento sustentável da Unesco.
A BNCC (da Educação Infantil e o Ensino Fundamental) organiza-se, implícita e explicitamente, com pelo menos essas correntes filosóficas e pedagógicas: materialismo dialético, teoria crítica, socioconstrutivismo, sociointeracionismo, relativismo, evolucionismo, desconstrutivismo, multiculturalismo, interculturalismo e politicamente correto. 

Portanto, por mais que os governos direitistas avancem na economia, justiça, segurança, infraestrutura e no comércio... Por mais que ressaltem o nacionalismo e os valores conserv…

Quem são os presidentes e os ministros da BNCC?

O processo de efetivação da BNCC (da Educação Infantil e do Ensino Fundamental) nos currículos escolares, no material didático e na formação dos professores passou por três presidentes da República e seis ministros efetivos da Educação, desde 2015.
Ainda no governo Dilma Rousseff, a primeira versão da BNCC enfrentou severas críticas e a acusação de alinhamento político com o "progressismo". 

Depois do impeachment, já de posse da segunda versão, os seus principais promotores empreenderam esforços argumentativos de proteção ao documento. Isto com o objetivo de fazer distanciar as suspeitas de ligação do currículo básico com políticas de governo ou de partido político. 

O discurso insistentemente avocado, da previsibilidade em Lei, passou a sustentar tanto a necessidade de pressa para sua efetivação quanto a tese de que a base curricular seria uma política de Estado.

Resumo das principais ações empreendidas por ministros efetivos da Educação e secretários executivos do Ministério d…

Contos de magia negra, demonismo e assassinato para alfabetização e letramento na escola pública

Um livro de contos macabros, com requintes de terror e pânico para crianças em fase final de alfabetização e letramento de escolas públicas, vem recebendo severas críticas de pais, professores e políticos. Essa reprovação acontece porque, na intenção deliberada de provocar medo no leitor, os organizadores recorreram a relatos de magia negra, bruxaria, feitiçaria, sacrifício com sangue humano e de animais, aparição de espíritos, demonismo, maldade com pessoas e animais, além de assassinatos.
O programa escolar de leitura e escrita que resultou no livro de contos BÚ! Histórias de Medo e Coragem, é uma iniciativa da empresa espanhola de energia, Endesa Brasil, em parceria com o Ministério da Cultura e publicado com ajuda da Lei de Incentivo à Cultura. Desde o começo deste ano, a obra é distribuída para escolas públicas e utilizada no processo de alfabetização e também letramento de crianças do 4º e 5º anos do Ensino Fundamental.
No ano passado, a empresa realizou um concurso literário em 5…