Pular para o conteúdo principal

Candomblé e umbanda em livros didáticos/2016 do MEC para o ensino fundamental



Alunos de escolas públicas e privadas, inclusive confessionais, que estudarem com os livros didáticos do MEC para o triênio 2016/18, verão com relativa profundidade o Candomblé e a Umbanda. 




livro didático 12, página 204


Com o pretexto de estudar a cultura afro brasileira, alguns desses livros do 1º ao 5º ano do ensino fundamental, destinados às crianças de 6 a 10 anos, apresentam divindades do Candomblé e da Umbanda, com seus atributos e representações iconográficas. Da mesma forma, rituais de culto, festas religiosas, despachos, ritos de conversão e de passagem, escala sacerdotal e doutrina própria acerca do surgimento do homem, do mundo e das coisas.

De acordo com os autores, o conteúdo cumpre a Lei 10.639/03 que torna obrigatório o ensino da história e cultura afro-brasileira e africana no Brasil. É esperado, no entanto, que a interpretação desta lei contemple o estudo da história, cultura, política e sociedade africana no passado e no presente refletindo, inclusive, suas transformações. 

livro didático 4, página 8

Mas o estudo da história e cultura afro-brasileira no lote de livros didáticos PNLD/2016 da primeira fase do ensino fundamental escolhe recortes que nitidamente direcionam para os aspectos inerentes à formação da religiosidade afro-brasileira. 

Abastecem esse esforço político e pedagógico a publicação de livros didáticos e paradidáticos, o treinamento de professores nessa temática pelas secretarias de educação, organizações não governamentais e universidades, além do financiamento público de grupos artísticos e culturais com a finalidade de se apresentarem na escola. 

É indiscutível e reconhecida a importância de conhecer a formação histórica e cultural do continente africano, de onde vieram aproximadamente 5 milhões de pessoas escravizadas em um processo de migração forçada. 

Da mesma forma é mister que se estude, reconheça e valorize a contribuição dos negros para a construção da sociedade brasileira, inclusive a sua diversidade religiosa. 



livro didático 7, página 137

Não obstante, o meio acadêmico que milita em defesa da política de afirmação da cultura religiosa afro brasileira (diga-se, o Candomblé e a Umbanda) nas escolas tem uma visão sincrônica das religiões tradicionais africanas em próprio solo africano. 

Os livros didáticos evitam, por exemplo, apresentar uma visão diacrônica da religiosidade na Africa, deixando de lado dados estatísticos sobre a atual configuração religiosa do continente africano em que as matrizes tradicionais aparecem hoje bem arrefecidas.  

Essa militância também não se conforma que afro brasileiros não se identifiquem com as religiões dos seus ancestrais, mas assimilem culturas e religiões diferentes, num suposto processo de subordinação cultural.  Principalmente quando se trata de vertentes cristãs que não se dão ao sincretismo religioso.


Nos livros didáticos, esquece-se a importância da maioria negra no processo de construção e expansão do catolicismo e também do cristianismo evangélico no Brasil, tanto entre os tradicionais quanto os pentecostais. 

Trata-se de um olhar catequista que sugere o retorno às origens simbólicas e culturais africanas que pode ser observado nos materiais didáticos e paradidáticos destinados à escola, mas também na prática docente de professores que comungam desse pensamento.

Neste vídeo, em pronunciamento feito dia 03/11/2015, na Câmara dos Deputados, o deputado federal Jean Wyllys aventa sobre a necessidade das religiões brasileiras de matriz africana aproximarem-se dos jovens negros evangélicos, sobretudo nas periferias das cidades. 



livro didático 6, página 18

De fato, o direito constitucional à liberdade de consciência, expressão, crença e culto deve ser garantido a todos. Para isto, políticas de combate à intolerância religiosa devem mesmo ser empreendidas no conjunto da sociedade. O que se questiona neste artigo é a forma de apresentação e o conteúdo selecionado para ser ministrado na escola, visto que favorecem ações proselitistas com o pretexto de enfrentar o problema da discriminação contra as minorias religiosas de origem africana. 

A estratégia de propagação da cultura religiosa afro nas escolas nos últimos anos, começa a dar resultado. Cada vez mais é possível observar a adesão de jovens às religiões brasileiras de matriz africana, sobretudo os de ascendência negra, fenômeno que certamente se confirmará em censos futuros do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 



Orley José da Silva, é professor em Goiânia, é doutorando em ciências da religião (PUC Goiás), mestre em letras e linguística (UFG) e mestrando em estudos teológicos (SPRBC).


Publicações que se relacionam com este artigo:

O mundo dos orixás:

Contos macabros de magia negra:

Evocação de espíritos:

Modelo de "notificação extrajudicial" desenvolvido pelo Procurador da República Guilherme Schelb. Para os pais notificarem escolas e professores sobre conteúdos que eles não permitem aos filhos. 

Cidades que rejeitam ideologia de gênero:

Livros didáticos/2016 do MEC com ideologia de gênero:


Nota (1):
Todas as ocorrências abaixo fazem parte do lote de livros do PNLD/2016, da 1ª fase do ensino fundamental, livros do 1º ao 5º ano para atender crianças com idades previstas de 6 a 10 anos. Estes livros foram disponibilizados gratuitamente para alunos de escolas públicas de todo o país. 
As editoras ofereceram os mesmos livros para escolas particulares de todo o país, inclusive confessionais, e eles podem ser adquiridos diretamente das editoras ou nas principais livrarias de livros escolares.

Nota (2):
Os recortes dos conteúdos das páginas estão relacionados com a numeração das capas dos livros.

Nota (3):
Em algumas imagens e textos, faremos esclarecimentos à parte sob a forma de observação.



livro didático 11, páginas 248 e 249

                                                            livro didático 6, página 18



livro didático 12, página 204




livro didático 11, páginas 249 e 250 (parte com orientações ao professor)


livro didático 12, página 204



livro didático 12, página 204




livro didático 1, página 91


livro didático 1, página 73


livro didático 7



livro didático 1, página 91



livro didático 1, página 8


livro didático 4, página 8



livro didático 5, página 63

livro didático 5, página 62





livro didático 7, página 138


livro didático 8, página 48


livro didático 8, página 48


Obs.:
Toda palavra tem sua história, origem, contexto e usos. Portanto, não há palavra que não seja carregada de dizeres e intenções. Ao escolher palavras para compor a mensagem, seja ela falada ou escrita, o emissor também escolhe o discurso.
Nos próximos três quadros, entre as palavras relacionadas nos exercícios dos alunos surge candomblé. E esta recorrência pode ser interpretada como sinal de grifo ao vocábulo por parte dos autores. Uma estratégia para fazer o aluno acostumar-se com a palavra e também conhecer o seu significado.


livro didático 9, página 40


livro didático 9, página 40


livro didático 9, página 82


livro didático 10, página 60


livro didático 10, página 62


livro didático 10, página 63

livro didático 11, página 126

Obs.:
No recorte abaixo os autores afirmam: "Atualmente, os ataques mais expressivos às religiões de matriz africana vê das chamadas religiões 'neopentecostais', que comumente as rotulam de 'culto aos demônios', 'crendices' e 'feitiçarias'. "

Pois bem. Levando-se em consideração que o livro do 4º ano destina-se aos alunos de 9 anos, pode-se questionar a maturidade destes alunos para compreender as divergências teológicas apresentadas. É possível que haja alunos de famílias evangélicas neopentecostais. Esses alunos teriam dificuldade para compreender a afirmação generalizada que os ataques sofridos pelas religiões de matriz africana vêm dos neopentecostais. Ainda mais se estes alunos forem neopentecostais e desconhecerem esse comportamento no seu meio religioso.

livro didático 11, página 247


Obs.: Os livros ignoram a narrativa criacionista (cristã) e, no lugar dela, apresentam outras concepções sobre o surgimento do universo. No caso abaixo, o aparecimento do arco-íris, de acordo com o candomblé.


livro didático 12


livro didático 12


livro didático




livro didático 12, página 205


livro didático 12, página 206


livro didático 12, página 206


livro didático 12, página 206



livro didático 13, página 69


livro didático 14, página 156


livro didático 15, página 


livro didático 15, página 129


livro didático 15, página 129


livro didático 15, página 128


livro didático 15, página 128


livro didático 15, página 84


livro didático 15, página 84


livro didático 16, página 9



livro didático 1

livro didático 1

livro didático 1

livro didático 1



livro didático 2

livro didático 2

livro didático 2



livro didático 2




                                                                             livro didático 3

livro didático 3

livro didático 3

livro didático 3





livro didático 4



livro didático 4




livro didático 5


livro didático 5


livro didático 5


livro didático 6

livro didático 6

livro didático 6

livro didático 6

livro didático 6

livro didático 6

livro didático 6

livro didático 6

livro didático 6

livro didático 7


Obs.:
O Natal é apresentado de acordo a visão que algumas religiões tem dele, com destaque para o Candomblé. A versão cristã (a quem o Natal realmente pertence e interessa, visto que trata do nascimento de Jesus, considerado Salvador para esta religião) é timidamente mencionada no texto e sua importância, relativizada entre as demais.
livro didático 7

livro didático 7

livro didático 7

livro didático 7

livro didático 7

livro didático 7

livro didático 7



livro didático 8


livro didático 8

livro didático 8


livro didático 9


livro didático 9

livro didático 9

livro didático 9

livro didático 9

livro didático 10

livro didático 10


livro didático 10


livro didático 10

livro didático 10

livro didático 10


livro didático 11

livro didático 11

livro didático 11 (parte com orientações ao professor)

livro didático 11 (parte com orientações ao professor)

livro didático 11 (parte com orientações ao professor)

livro didático 11 (parte com orientações ao professor)


livro didático 12


livro didático 12


livro didático 12


livro didático 12


livro didático 12


livro didático 12


livro didático 12


livro didático 13

livro didático 13


livro didático 14

livro didático 14

livro didático 14


livro didático 15

livro didático 15

livro didático 15

livro didático 15



livro didático 15


livro didático 16


livro didático 16











Comentários

  1. Excelente reflexão!
    Abordou o tema com a devida ponderação.

    ResponderExcluir
  2. SOB PENA DE VIOLAR O PRINCÍPIO CONSTITUCIONAL DA LAICIDADE DO ESTADO E A LIBERDADE DE CONSCIÊNCIA E DE CRENÇA DOS ESTUDANTES, o ensino de História e Cultura Afro-Brasileira, obrigatório por força da Lei 10.639/2003, não pode, em hipótese alguma, descambar para o proselitismo, a mitologização ou a glamurização. Se um assunto deve ser abordado em sala de aula, deve sê-lo em toda a sua complexidade (que compreende, inevitavelmente, aspectos positivos e negativos), sem outro objetivo que não seja o de mostrar aos estudantes a realidade como ela é. Miguel Nagib

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não há problema em se estudar historicamente as religiõs do Candomblé e da Umbanda. Afinal, estudamos Protestantismo na escola. Afinal, não nos debruçamos sobre as reformas de Lutero? de Calvino? Não falamos sobre a Inquisição? Da mitóligia e RELIGIÃO Grega? É hora de pararmos de melindres, de ignorância e estupidez.

      O Objetivo do MEC não é doutrinação. Isso é conversa de covarde que não tem argumentação. O objetivo do MEC é esclarecer a população e tirar o medo que alguns pretensos religiosos estão infundindo em seus 'seguidores'

      É hora de amadurecermos.

      Cristo disse para não julgarmos. Como tem gente que usa o nome de Jesus para julgar....

      Excluir
    2. Cristianismo não pode, religião de macumbeiros pode. delícia de estado laico cara.

      Excluir
  3. Religião também é fenômeno cultural, e está sendo tratada nos livros didáticos sob essa perspectiva, conforme demonstrado pelo Prof. Orley. Só que isso está sendo feito de maneira indevida, com o objetivo de despertar a simpatia dos alunos em relação a essas religiões. O estudante tem direito a que o seu conhecimento sobre a realidade não seja manipulado pela ação do governo, da escola ou dos professores. Miguel Nagib

    ResponderExcluir
  4. Se o Cristianismo não pode, nenhuma outra religião pode. Inclusive o ateísmo. Estado laico não é Estado ateu. É Estado que garante a religiosidade de todos os que vivem na sociedade pluralista do Brasil.

    ResponderExcluir
  5. Esse material didatico e um absurdo! Precisamos de um governante que efetivamente enfrente essas politicas de manipulacao educacional que vem da ONU e de seus orgaos.

    ResponderExcluir
  6. estão usando a educação básica uma forma de gerar novos militantes... primeiro com valores pornográficos, depois valores homossexuais... e agora enfiando goela abaixo, de uma forma distorcida e indutiva, a respeito de apenas uma pequena fração sobre a cultura afro brasileira.... de acordo com a mente de meia dúzia de autores....

    Foi se o tempo em que haviam autores intelectuais que de fato agregaram em nossa cultura....

    Não se ensinam civismo, ensino religioso (como uma matéria a parte, mas não induzida), educação artística, história da arte, caligrafia, etc.... Tem muitos conteúdos que foram retirados da grade da educação básica ao longo dos anos, e agora esses comunistas "intelectuais" querem que nossos filhos e netos aprendam e convivam com valores que nem eles viveram....

    Estamos de olho!!!!

    ResponderExcluir
  7. Meus pais eram do Candoble e umbanda, confesso que as minhas experiências não foram das melhores.
    A minha mãe teve 17 internações psiquiátricas porque as entidades, não a deixavam em paz.
    Falar da cultura e interessante, mas de rituais é inconcebível.
    Tenho propriedade pra falar sobre isso.
    Depois de viver o cáos, encontrei a paz no cristianismo.
    Esse conteúdo é para adultos e não para as crianças.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. guia de luz tem mais o que fazer. perturbar encarnado é coisa de obsessor.

      Excluir
  8. Defende todos os materiais listados!Não se trata de uma doutrinação sobre as religiões de matriz africana,mas de reconhecimento, NÃO marginalização destas crenças, seus santos e Deus.E as crianças que são da umbanda e do candomblé, como se sentem sendo chamadas de seguidoras do demônio?Tenho pesquisado isto e sei MAL que alguns evangélicos e carismáticos tem feito coma cabeça de crianças e adolescentes.Respeitar a religião alheia é o princípio básico.Sou católico, catequista e professor de História e grande defensor do respeito às religiões de matriz africana.Sei que Jesus é meu Senhor e meu Deus, e sei que seria terrível não poder falar dele, não poder dizer que sou cristão e que sigo a Cristo.Esses livros, todos estes conteúdos ajudam a tirar o ódio,endemoninhamentos e preconceito sobre as crenças afro.Parabéns às editoras e autores. Viva a lei 10.639/03!

    ResponderExcluir
  9. O autor deste artigo usou apenas parte de muitos livros didáticos passando a idéia de que os mesmos falam apenas das religiões afro. Como pode ser correto falar de Zeus, Jesus, Alá e outros deuses e ser errado falar de orixá, nkisi e/vodun se estes contribuíram e continuam contribuindo diretamente na cultura brasileira? Foi através do culto a estas divindades que hoje temos o samba, Axé, comidas afros, resistência negra, linguagens e tantos outras riquezas. Claro que deve se apresentar a cultura afro por um todo e não exclusivamente a religiosidade...mas é impossível falar da história afro e não adentrar nas crenças. Vale lembrar que candomblé não é apenas uma religião. ..em um terreiro é encontrado todo um cenário de resistência, uma biblioteca viva, um museu ativo, uma cultura que vai além da fé. A musicalidade, as bijuterias, danças, vestimenta, respeito aos mais velhos(...)toda uma riqueza que precisa ser zelada e apresentada sim mas sem o ideal de converter. Uma questão boba usada para confundir o leitor é quanto ao censo do ibge. ..É claro que irá aumentar o número de pessoas praticantes de religiões afro mas isso não por conversão devido a escola e sim porque cada vez mais praticantes irão ter coragem de assumir a sua religiosidade diferente do que vem acontecendo em resultado ao preconceito que os mesmo passam em destaque na escola que durante tanto tempo nas aulas de religião pregava que este culto é demoníaco e que o único caminho é Jesus, como eu mesmo ouvi várias vezes de vários professores meus.
    As.: Prof. Samuel Esmeraldo

    ResponderExcluir
  10. eita. gostei desse livro. está à venda? onde? Usá-lo para trabalhar História da Alimentação Africana com as crianças será ótimo.
    obrigada pela dica.

    ResponderExcluir
  11. Quando será a distribuição da Bíblia e do Alcorão nas escolas públicas?

    ResponderExcluir
  12. Quando as escolas públicas receberão a Bíblia e o Corão, entre outros livros, para também serem trabalhados em sala de aula?

    ResponderExcluir
  13. Eu me envergonho de morar no Brasil, e ter uma imundície como o MEC, obrigando as escolas e professores a passarem este lixo que vemos acima; é sem dúvida doutrinação satânica. Quando teremos pessoas de moral dentro do MEC? Sou pela extinção deste lixo chamado MEC.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que maravilha!! Incentivo ao conhecimento de religiões de matriz afro!! Enfim o MEC acertou!! ��

      Excluir
  14. Parabéns pelo trabalho,

    O candomblé é retrato da ignorância e do atraso. Não é por acaso que as escolas européias tem ensino melhor que o nosso. Aliás, afora antropólogos cheirados e outras esquisitices uspianas, a cultura africana só interessa como uma curiosidade fóssil - em quase todos os seus aspectos - especialmente religioso.
    Não se pode confundir religião cristã apostólica nem sequer com as ramificações protestantes e evangélicas. Imagine com neuroses tribais.
    Agradeço sua dedicação - é um trabalho deveras necessário e oportuno. As crianças do Brasil lhe devem um "muito obrigado".
    Renato

    ResponderExcluir
  15. Muito bom valorizar as culturas brasileiras ..www-simplesassim.blogspot.com

    ResponderExcluir
  16. Completo absurdo esse blog. Basta de intolerância!
    Lamentável!

    ResponderExcluir
  17. Parabenizo pela pesquisa e exposição. Precisamos tabular (%) a incidência/proporção para outras religiões. Religião é tematica socialmente construída e precisa ser abordada de forma IGUALITÁRIA!
    Com relação aos comentário destaco que os pais tem direito de orientar a formação nos aspectos particulares (que inclui a fé) e devem ser respeitados nisso, cabendo a notificação extrajudicial em caso contrário, e punição judicial.

    ResponderExcluir
  18. ADOREI!! ISSO É COMBATER A INTOLERÂNCIA E O RACISMO RELIGIOSO! PARABÉNS MEC, RESPEITO A DIVERSIDADE RELIGIOSA DO BRASIL!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Quando a família do aluno processa a escola por danos morais

Conheça dois modelos de "notificação extrajudicial" que poderão ser usados no relacionamento entre a família e a escola, no sentido de proteger o aluno especialmente contra a doutrinação política, partidária e de gênero.




O Procurador da República Guilherme Schelb desenvolveu um modelo de "notificação extrajudicial" para que pais e/ou responsáveis protejam os filhos contra o ensino da Ideologia de Gênero pelas escolas. Por este simples documento, escolas e professores são notificados pelas famílias de processá-los por danos morais pelo ensino dessa ideologia que visa, através da educação, promover uma revolução sexual e familiar. Isto a partir das crianças e adolescentes.
Caso professores e escolas se recusem a assinar o documento, há duas atitudes que os pais e/ou responsáveis poderão tomar para que o documento tenha validade jurídica. A primeira, é dirigirem-se ao Cartório de Registro de Títulos e Documentos com o nome e endereço da escola, para que a escola seja c…

Tábata Amaral aparece em livro didático do MEC de 2020

Esta é a primeira de uma série de 14 postagens que este blog realiza sobre ocorrências "questionáveis" nos livros didáticos reconhecidos pelo MEC/2020, anos finais do Ensino Fundamental, com validade para um período de 4 anos: 2020 a 2023. 



O livro de Língua Inglesa "BECOME", da Editora FTD, do PNLD 2020, cuja coleção tem o código 0357P20092, é destinado ao 7º ano do Ensino Fundamental. Ao longo das páginas 18-31, apresenta uma lição que trata da importância da Língua Inglesa para a inserção social e a formação de cidadãos globais, em consonância com a Base Nacional Comum Curricular (BNCC).
edital de convocação 01/2018 SEB/MEC  deu origem a este livro. A finalização do processo de escolha deu-se por meio da Portaria nº 27/2020 SEB/MEC PNLD 2020. Um edital que teve início no governo Temer e terminou no governo Bolsonaro.
Leia:  Editais de materiais didáticos que se estendem até 2023
O livro propõe ao aluno não somente a leitura mas também a reflexão sobre perfis public…

ONG feminista "Católicas pelo direito de dedicir" em livro didático do MEC para 2020

Esta é a quarta de quatorze postagens que este blog apresenta sobre alguns temas abordados pelos livros didáticos recomendados pelo MEC (PNLD/2020) para os anos finais do Ensino Fundamental  (6º ao 9º ano), com validade de quatro anos: 2020 à 2023. 
Leia antes as três postagens anteriores ( a 1ª , a 2ª  e a 3ª. )

O movimento feminista nos livros didáticos de 2020
Trata-se da primeira remessa de livros em conformidade com a versão homologada (dez/2017) da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) para a Educação Infantil e o Ensino Fundamental, crianças de 0 a 14 anos. 



O objetivo desta postagem é mostrar a presença da ONG feminista Católicas pelo Direito de Decidir no currículo dos anos finais do Ensino Fundamental, em páginas de um livro de Língua Inglesa   do PNLD/2020.

É de conhecimento público que esta ONG não conta com o apoio oficial da Igreja Católica Romana. Composta por um grupo minoritário de autodeclarados católicos, tem como pauta principal a defesa do aborto.

No entanto, no seio da…

A BNCC em um voo de galinha da direita brasileira

No final de 10 anos, praticamente toda a população brasileira abaixo dos 25 anos terá sido escolarizada em conformidade com os desdobramentos da Escola de Frankfurt), o universalismo cultural e a Agenda 2030 de desenvolvimento sustentável da Unesco.



Prevista em Lei,[i] a Base Nacional Comum Curricular (BNCC),[ii] obrigatória para a Educação Infantil e o Ensino Fundamental (crianças de 0 a 14 anos) de todas as creches e escolas públicas e privadas, com validade a partir de janeiro de 2020, foi aprovada pelo Conselho Nacional de Educação (CNE)  no dia 15 de dezembro de 2017 e homologada cinco dias depois[iii] pelo Ministro da Educação (MEC), Mendonça Filho.
Os dois anos seguintes à homologação[iv] foram dedicados para: 1) ajustar os currículos de todas as creches e escolas do país à BNCC; 2) adequar os conteúdos dos materiais didáticos; 3) mudar as avaliações institucionais da Educação Infantil e do Ensino Fundamental; 4) reformular os currículos de licenciatura das faculdades e universid…

Engajamento político e militância no livro didático do MEC de 2020

O livro didático de 2020 amplifica e normaliza em sala de aula as discussões políticas e ideológicas. Mas vai além: com a alegação de despertar no aluno a consciência crítica, incentiva-o a engajar-se em movimentos sociais, lutas políticas e de classe. 





Com a atitude de fundamentar a crítica política e social em sala de aula infanto-adolescente, em conformidade com a Teoria Crítica, o PNLD/2020 dificulta iniciativas contestatórias da sociedade civil, a exemplo das associações de pais e do Escola Sem Partido. 




É importante observar a intencionalidade do jogo semiótico e semântico presente na construção dos capítulos dos livros. 
Não é aleatória a escolha de bandeiras, símbolos, cores, gestualidades das pessoas,  imagens e passeatas que se identificam com cenários de manifestações públicas organizadas pela esquerda política brasileira e internacional.
Também não é sem propósito ideológico a seleção de termos e palavras encontrados nos livros didáticos: militância, ativismo, cidadão crítico,…

Fake news no livro didático do MEC para 2020

Esta é a segunda de quatorze postagens que este blog apresenta sobre alguns temas abordados pelos livros didáticos recomendados pelo MEC (PNLD/2020) para os anos finais do Ensino Fundamental  (6º ao 9º ano), com validade de quatro anos: 2020 à 2023. 


Leia: Editais de materiais didáticos que se se estendem até 2023

Trata-se da primeira remessa de livros em conformidade com a versão homologada da Base Nacional Comum Curricular (BNCC).
Esse conjunto de postagens tem sido feito exclusivamente com livros de Língua Inglesa e Língua Portuguesa. Os livros das demais disciplinas serão analisados em outra oportunidade. 
Os livros são organizados em capítulos. Cada um deles, além de contemplar um aspecto gramatical é regido por um tema específico.  
Alguns dos temas recorrentes nos capítulos do 6º ao 9º ano são: fake news, aquecimento global, globalização, multiculturalismo, interculturalismo, gênero, feminismo, racismo, discriminação, cidadania global, direitos humanos, engajamento em protestos polít…

O movimento feminista no livro didático do MEC para 2020

Esta é a terceira de quatorze postagens que este blog apresenta sobre alguns temas abordados pelos livros didáticos recomendados pelo MEC (PNLD/2020) para os anos finais do Ensino Fundamental  (6º ao 9º ano), com validade de quatro anos: 2020 à 2023. 
Trata-se da primeira remessa de livros em conformidade com a versão homologada (dez/2017) da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) para a Educação Infantil e o Ensino Fundamental, crianças de 0 a 14 anos. 
O objetivo desta postagem é mostrar a presença do feminismo no currículo dos anos finais Ensino Fundamental, através de páginas escolhidas em 10 livros diferentes de Língua Inglesa e Língua Portuguesa do PNLD/2020.
Esta postagem, neste momento, não analisará pontualmente as páginas e imagens apresentadas, deixando essa tarefa por conta do leitor e dos especialistas em educação.  
A observação da existência de um modelo gradativo de ensino que vem desde a Educação Infantil permite supor que, ao final do Ensino Fundamental, os alunos terão c…

O que mais incomoda o conservador na BNCC?

O Censo Escolar (INEP/MEC, 2018) conta 36 milhões de alunos matriculados na Educação Infantil e no Ensino Fundamental, crianças de 0 a 14 anos. Estes dois grupos de alunos representam aproximadamente 17% da população brasileira.  
Em 10 anos, não será surpresa se a população abaixo dos 25 anos estiver próxima aos valores políticos e sociais encontrados em segmentos da Escola de Frankfurt, ao universalismo cultural e à Agenda 2030 para o desenvolvimento sustentável da Unesco.
A BNCC (da Educação Infantil e o Ensino Fundamental) organiza-se, implícita e explicitamente, com pelo menos essas correntes filosóficas e pedagógicas: materialismo dialético, teoria crítica, socioconstrutivismo, sociointeracionismo, relativismo, evolucionismo, desconstrutivismo, multiculturalismo, interculturalismo e politicamente correto. 

Portanto, por mais que os governos direitistas avancem na economia, justiça, segurança, infraestrutura e no comércio... Por mais que ressaltem o nacionalismo e os valores conserv…

Quem são os presidentes e os ministros da BNCC?

O processo de efetivação da BNCC (da Educação Infantil e do Ensino Fundamental) nos currículos escolares, no material didático e na formação dos professores passou por três presidentes da República e seis ministros efetivos da Educação, desde 2015.
Ainda no governo Dilma Rousseff, a primeira versão da BNCC enfrentou severas críticas e a acusação de alinhamento político com o "progressismo". 

Depois do impeachment, já de posse da segunda versão, os seus principais promotores empreenderam esforços argumentativos de proteção ao documento. Isto com o objetivo de fazer distanciar as suspeitas de ligação do currículo básico com políticas de governo ou de partido político. 

O discurso insistentemente avocado, da previsibilidade em Lei, passou a sustentar tanto a necessidade de pressa para sua efetivação quanto a tese de que a base curricular seria uma política de Estado.

Resumo das principais ações empreendidas por ministros efetivos da Educação e secretários executivos do Ministério d…

Contos de magia negra, demonismo e assassinato para alfabetização e letramento na escola pública

Um livro de contos macabros, com requintes de terror e pânico para crianças em fase final de alfabetização e letramento de escolas públicas, vem recebendo severas críticas de pais, professores e políticos. Essa reprovação acontece porque, na intenção deliberada de provocar medo no leitor, os organizadores recorreram a relatos de magia negra, bruxaria, feitiçaria, sacrifício com sangue humano e de animais, aparição de espíritos, demonismo, maldade com pessoas e animais, além de assassinatos.
O programa escolar de leitura e escrita que resultou no livro de contos BÚ! Histórias de Medo e Coragem, é uma iniciativa da empresa espanhola de energia, Endesa Brasil, em parceria com o Ministério da Cultura e publicado com ajuda da Lei de Incentivo à Cultura. Desde o começo deste ano, a obra é distribuída para escolas públicas e utilizada no processo de alfabetização e também letramento de crianças do 4º e 5º anos do Ensino Fundamental.
No ano passado, a empresa realizou um concurso literário em 5…