Pular para o conteúdo principal

Proposta BNCC alternativa realmente constitucional e sem ideologia de gênero


Por uma base curricular legítima e de feitio doméstico, de maneira a preservar o pacto federativo. Não uma que se subordine aos interesses globalistas de sociedade, por isto aderente às receitas de pasteurização ideológica da ONU.   


Desde que foi publicada a 1ª versão da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), em março de 2016, formou-se de maneira espontânea e informal uma equipe altamente qualificada de técnicos educacionais cristãos com a finalidade de analisar e propor alternativas a esse documento. 

Esta equipe é composta de professores e pesquisadores da educação, residentes em estados diferentes da federação e liderados pela professora pós-doutora Viviane Petinelli e Silva (UFMG/Harvard).

Depois que a 3ª versão foi publicada e encaminhada ao Conselho Nacional de Educação (CNE), em abril deste ano, sabendo que se tratava da última antes do documento definitivo, a equipe se esmerou em aprofundar as análises.  

Além do trabalho direto com o texto e o acompanhamento criterioso das 5 audiências públicas realizadas pelo CNE, uma em cada região do país (Manaus, Recife, Florianópolis, São Paulo e Brasília), o grupo ajudou a promover 3 audiências públicas "não oficiais" sobre a BNCC, nas cidades de Belo Horizonte, Brasília e Goiânia, conforme links abaixo.

Causou estranhamento o fato de as audiências públicas oficiais não terem sido realizadas em todas as capitais e também a pressa em finalizar e homologar o documento, sem que ele fosse devidamente digerido, assimilado e consensualizado pela sociedade brasileira.

A iniciativa do grupo em promover audiências públicas não oficiais visou aumentar o número de capitais e estados contemplados para além das somente 5 capitais escolhidas pelo CNE, além de ser uma tentativa de provocar o necessário (e até agora inexistente) debate aprofundado na sociedade e no Congresso Nacional.

O esmerado esforço dessa equipe técnica educacional multidisciplinar produziu UMA VERSÃO ALTERNATIVA DE BNCC, visando tornar o documento compatível com a previsão legislativa de uma base curricular e não um currículo e livrá-la das intenções revolucionárias da esquerda política. 

Levou-se em consideração o público de crianças e adolescentes para o qual o documento é destinado: de zero a quatorze anos (educação infantil e ensino fundamental), as  balanceadas especificidades das faixas etárias (negligenciadas no documento oficial) e também os interesses e direitos educacionais dos pais para a educação dos filhos. 

As críticas à versão oficial do MEC, além das justificativas legislativas, jurídicas e educacionais para a criação de uma versão alternativa de base curricular podem ser conferidas nos links abaixo, em PDF. 

Uma cópia de cada um dos textos foi entregue em formato físico e digital, no último dia 25 de outubro, diretamente ao Ministro da Educação, Mendonça Filho e ao Conselho Nacional de Educação. Receberam também cópias os deputados federais e senadores.

Essa versão alternativa foi subscrita pela Frente Parlamentar Evangélica (dep. Hidekazu Takayama), Frente Parlamentar Católica (dep. Givaldo Carimbão), Frente Parlamentar  Mista em Defesa da Vida e da Família da Câmara e do Senado (Sen. Magno Malta) e Frente Parlamentar em Defesa da Vida e da Família da Câmara dos Deputados (dep. Diego Garcia).

Na ocasião, foi entregue ao Ministro da Educação, Mendonça Filho e ao Presidente da Câmara dos Deputados, dep. Rodrigo Maia, o pedido para que seja colocado em votação o REQUERIMENTO DE URGÊNCIA PARA VOTAÇÃO DE PROJETO DE LEI, do dep. Diego Garcia, para que o PL nº 4486/16, do deputado Rogério Marinho (RN) determinando que a BNCC passe pelo Congresso Nacional, como aconteceu com o Plano Nacional de Educação (PNE).

Os críticos da proposta de transferência da BNCC do MEC/CNE para o Congresso Nacional (entre eles a alta cúpula do MEC e alguns deputados federais) argumentam que essa medida fará duas coisas: atrasar em um ano a implantação de uma base curricular na educação brasileira e fazer dela um "monstrengo" difícil de ser aplicado nas escolas.

Já os defensores dessa medida entendem que "monstrengo" a BNCC é desde o seu nascimento em primeira versão. E, por sinal, um "monstrengo" de características nada confiáveis para quem deseja construir um bom futuro para a sociedade brasileira.  

Quanto ao alegado ano de protelação que se exigiria pela passagem da BNCC no Congresso Nacional não se constituiria em perda de tempo mas em ganho e tranquilidade para os mecanismos de coesão nacional

O mesmo Congresso Nacional que foi capaz de fazer um bom e democrático Plano Nacional de Educação, (certamente muito melhor e menos ideologizado do que se ele tivesse ficado a cargo do MEC/CNE) poderá corrigir os problemas mais graves da BNCC e fazer dela um documento mais democrático e benéfico para o futuro da educação nacional.

A tão propalada participação popular e democrática da BNCC tem sido questionada com fundamentos sólidos. Um documento tão importante para a direção da educação dos filhos do povo, com poderes políticos para mudar completamente a sociedade do futuro para um rumo previamente programado, não poderia deixar de ser analisada e vistoriada cuidadosa e criteriosamente pelos legítimos representantes da população.

Caso não reivindique para si essa responsabilidade legislativa, o Congresso Nacional poderá incorrer em omissão  política diante dos conteúdos de um documento educacional com poderes modeladores sobre a sociedade do futuro, a partir das crianças e adolescentes de hoje. 

Pede-se que esta postagem seja amplamente compartilhada, a fim de que o seu conteúdo chegue em linguagem acessível às pessoas mais interessadas nessa BNCC: os pais dos próprios alunos menores. 

Pede-se também que esta postagem seja divulgada entre os professores e demais trabalhadores em educação do país, esquecidos nas consultas e audiências públicas, jornalistas, políticos e demais formadores de opinião. 


Esta proposta de BNCC não tem a petulância de ser considerada a melhor, mas gostaria muito que sua divulgação levasse a sociedade brasileira a questionar os absurdos políticos, metodológicos, pedagógicos e ideológicos deste CURRÍCULO OFICIAL DO MEC, porque assim o é. A nomenclatura base curricular é enganosa, visto que se trata, na verdade de um CURRÍCULO bem ampliado, que uniformizará e engessará a educação nacional.

Sobre o autor da matéria:

Orley José da Silva, tem 54 anos, é professor em Goiânia e especialmente interessado no estudo do currículo escolar e do material didático. É licenciado em letras (UFMS), especialista em teorias da leitura e da produção de textos (UFG), mestre em letras e linguística (UFG), mestrando em estudos teológicos (SPRBC) e doutorando em ciências da religião (PUC Goiás).


Parte dos anexos:


Os links que se seguem dizem respeito às peças relativas à BNCC oficial (que tramita no MEC/CNE) e a BNCC alternativa, proposta por esta equipe multidisciplinar de técnicos educacionais:

Documento 1

Análise Jurídica: BNCC é inconstitucional e fere o pacto federativo


Documento 2

Nota explicativa das mudanças realizadas na BNCC alternativa


Documento 3

Justificativas científicas e pedagógicas que viabilizam a BNCC alternativa


Documento 4

Proposições curriculares para a Educação Básica

Documento 5

Proposta de BNCC constitucional com as alterações em relação à BNCC oficial


Documento 6

Proposta de BNCC que seja constitucional

Documento 7

BNCC descontaminada, com os comentários.


Documento 8

BNCC descontaminada

Documento 9
Nota Técnica sobre a 3ª versão da BNCC (a mesma versão encaminhada pelo MEC ao CNE)

Documento 10

Carta de apoio do INTESI

Documento 11

Relatório da audiência pública na ALEMG contrária à Ideologia de Gênero na BNCC


Documento 12

Nota de apoio da AECEP





Informações acerca das 3 audiências públicas "não oficiais" sobre a BNCC, especificamente contra a presença do conteúdo de Ideologia de Gênero. Vale dizer que das três audiências saíram CARTAS ABERTAS ao Presidente da Câmara dos Deputados, ao Ministro da Educação e ao Presidente do Conselho Nacional de Educação, rejeitando a presença da Ideologia de Gênero na BNCC e em apoio ao Requerimento de Urgência, protocolado pelo dep. Diego Garcia, que exige a votação imediata do PL 4486/17, do dep. Rogério Marinho, para fazer com que a BNCC seja apreciada pelo Congresso Nacional.

A primeira audiência pública
realizada no dia 19 de setembro, na Assembleia Legislativa do Estado de Minas Gerais (ALEMG), proposta pela deputada estadual Celise Laviola. 

Dossiê da Audiência Pública da ALEMG sobre o problema da Ideologia de Gênero na BNCC

Notícia da audiência pública

Vídeo completo da audiência de Belo Horizonte:





A segunda audiência pública, 
realizada no dia 25 de outubro, na Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF), especificamente para tratar da presença da Ideologia de Gênero na BNCC, audiência esta proposta pelo deputado distrital Rodrigo Delmasso.

Notícia da audiência pública

Vídeo completo da audiência de Brasília


A terceira audiência pública,
realizada no dia 07 de novembro, na Assembleia Legislativa de Goiás (ALEGO), especificamente para tratar da presença da Ideologia de Gênero na BNCC, audiência esta proposta pelo deputado estadual Francisco Jr. 

Carta de Goiânia (ALEGO) contra a Ideologia de Gênero na BNCC


Vídeo completo da audiência de Goiânia:





 ]


O vídeo abaixo mostra a Audiência Pública da Comissão de Educação, da Câmara dos Deputados, que discutiu as Ciências Humanas na BNCC, no dia 31.05.2016

A mesa, presidida pelo dep. Rogério Marinho (RN), contou com a participação dos professores doutor Bráulio Porto de Matos (UnB), doutorando Orley José da Silva (RME Goiânia) e do padre doutor José Eduardo de Oliveira e Silva.

Esta audiência constituiu-se em um marco de resistência à BNCC porque fez as seguintes denúncias: a bncc é inconstitucional, fere o pacto federativo, não é uma simples base curricular mas currículo
amplo e engessador das unidades escolares, é profundamente ideologizada pelo viés das interpretações pró-marxistas e prioriza os métodos crítico histórico e cultural.




Discurso DENÚNCIA do prof. Orley José da Slva, de conteúdo construído em conjunto com o prof. Jean-Marie Lambert, na última Audiência Pública sobre a BNCC, promovida pelo Conselho Nacional de Educação, dia 11 de setembro, em Brasília, no link abaixo.

"Que o Brasil profundo diga a ONU que ele já tem dono."

Que a BNCC saia do MEC e seja discutida na Câmara dos Deputados


Petição pública a espera de assinaturas e divulgação:

PETIÇÃO PÚBLICA: COM IDEOLOGIA DE GÊNERO, NÃO HAVERÁ BNCC

Ideia Legislativa protocolada no Senado Federal pela advogada Rubenita Lessa pede que a BNCC, depois de finalizada no CNE, seja encaminhada ao Congresso Nacional. Esta ideia espera chegar ao número de 20.000 apoiantes para receber como relator, um dos senadores, e tramitar normalmente como Projeto de Lei.

Ideia Legislativa no Senado, da advogada Rubenita Lessa, pede que a BNCC seja encaminhada ao Congresso Nacional.






Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Livros do MEC de 2019 trazem cardápio religioso para as crianças

Em atendimento à proposta de ensino religioso da BNCC, diferentes crenças, ritos e tradições religiosas são apresentadas às crianças pelos livros didáticos do PNLD/MEC do quadriênio 2019/22. Tudo de acordo com a visão materialista das ciências humanas e sociais.

Durante a elaboração da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), havia a possibilidade de escolher entre pelo menos quatro alternativas para o Ensino Religioso.
A primeira, esquivar-se do tema deixando que escolas e sistemas educacionais se organizassem livremente de acordo com a legislação vigente. 
A segunda, acompanhar a interpretação do Superior Tribunal Federal (STF) pela constitucionalidade do ensino confessional nas escolas por ocasião do julgamento da Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 4439, que decidiu pela constitucionalidade do ensino religioso confessional nas escolas oficiais do país. 
 A terceira, apresentar um estudo eminentemente histórico e descritivo das religiões, de maneira isonômica. 
A quarta, questiona…

Especialistas conservadores questionam BNCC

UMA NOTA EXPLICATIVA CONSERVADORA SOBRE A BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR (BNCC) DO ENSINO FUNDAMENTAL.A advogada e assessora parlamentar Damares Alves e os professores Orley José da Silva, Sandra Lima de Vasconcelos Ramos e Viviane Petinelli e Silva, analisaram criticamente a versão homologada da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), da Educação Infantil e do Ensino Fundamental, de acordo com a perspectiva conservadora cristã.



Esta análise, de maneira ampliada, tanto impressa quanto em formato digital, foi entregue ao Ministro da Educação, Mendonça Filho, antes da homologação da BNCC. O encontro foi possível graças à intermediação da Frente Parlamentar Evangélica, que tem como presidente o dep. Hidekazu Takayama.  Infelizmente, o MEC não considerou o alerta e as sugestões dessa análise. Em vista disto, algumas das preocupações se confirmam com o ENEM/2018 e os livros didáticos e literários previstos para 2019. Damares Alves Orley José da Silva Sandra Lima de Vasconcelos Ramos Viviane Pet…

Quando a família do aluno processa a escola por danos morais

Conheça dois modelos de "notificação extrajudicial" que poderão ser usados no relacionamento entre a família e a escola, no sentido de proteger o aluno especialmente contra a doutrinação política, partidária e de gênero.




O Procurador da República Guilherme Schelb desenvolveu um modelo de "notificação extrajudicial" para que pais e/ou responsáveis protejam os filhos contra o ensino da Ideologia de Gênero pelas escolas. Por este simples documento, escolas e professores são notificados pelas famílias de processá-los por danos morais pelo ensino dessa ideologia que visa, através da educação, promover uma revolução sexual e familiar. Isto a partir das crianças e adolescentes.
Caso professores e escolas se recusem a assinar o documento, há duas atitudes que os pais e/ou responsáveis poderão tomar para que o documento tenha validade jurídica. A primeira, é dirigirem-se ao Cartório de Registro de Títulos e Documentos com o nome e endereço da escola, para que a escola seja c…

Ocultismo e assassinato em contos para alfabetização e letramento da escola pública

Um livro de contos macabros, com requintes de terror e pânico para crianças em fase final de alfabetização e letramento de escolas públicas, vem recebendo severas críticas de pais, professores e políticos. Essa reprovação acontece porque, na intenção deliberada de provocar medo no leitor, os organizadores recorreram a relatos de magia negra, bruxaria, feitiçaria, sacrifício com sangue humano e de animais, aparição de espíritos, demonismo, maldade com pessoas e animais, além de assassinatos.
O programa escolar de leitura e escrita que resultou no livro de contos BÚ! Histórias de Medo e Coragem, é uma iniciativa da empresa espanhola de energia, Endesa Brasil, em parceria com o Ministério da Cultura e publicado com ajuda da Lei de Incentivo à Cultura. Desde o começo deste ano, a obra é distribuída para escolas públicas e utilizada no processo de alfabetização e também letramento de crianças do 4º e 5º anos do Ensino Fundamental.
No ano passado, a empresa realizou um concurso literário em 5…

Agenda 2030 da ONU direciona livro didático do MEC de 2020

Observações realizadas em livros didáticos de Língua Portuguesa e Língua Inglesa do PNLD/2020 apontam que os mesmos contemplam, de maneira transversal, as metas da Agenda 2030 da Unesco, em conformidade com a Base Nacional Comum Curricular (BNCC).



(Imagem recortada da página do livro didático)

Mas a referência aos 17 objetivos que a ONU afirma serem para o desenvolvimento sustentável do mundo estão presentes em livros não somente de Português e Inglês mas também das outras disciplinas.
Desta forma, ao aplicar essa temática à educação dos alunos, ano após ano, em todas as disciplinas, contribui para a formação de uma sociedade global, com uma ética cultural semelhante e a assimilação de valores multi e interculturais.  




Esta é a sexta de quatorze postagens que este blog apresenta sobre alguns temas abordados pelos livros didáticos recomendados pelo MEC ( PNLD/2020 ) para os anos finais do Ensino Fundamental  (6º ao 9º ano), com validade de quatro anos: 2020 à 2023. 
A presente pesquisa foi…

MEC não desiste: livros de 2016 para crianças de 6 a 10 anos vêm com Ideologia de Gênero

As crianças de escolas públicas e privadas que estudarem com os livros didáticos/2016 do MEC para a primeira fase do Ensino Fundamental serão informadas sobre arranjos familiares de gays e lésbicas, com adoção de filhos. Elas tomarão conhecimento de bigamia, poligamia, bissexualismo e transsexualismo. Aprenderão a observar melhor os próprios corpos e os corpos dos outros através de exercícios em sala de aula, orientados pelo livro didático. Os livros também lhes dirão das doenças sexualmente transmissíveis e dos mais diferentes métodos anticonceptivos. A ministração desses conteúdos se inicia já no 1º ano, onde os alunos têm 6 anos de idade e, numa gradação de complexidade, termina no 5º ano com alunos de 10 anos. 
A estratégia pedagógica obedece ao princípio da repetição exaustiva do conteúdo. Durante o mesmo ano letivo o aluno ouvirá, lerá e fará exercícios seguidas vezes sobre esses assuntos com professores e disciplinas diferentes: Português, Geografia, Ciências, História, Ciências…

Tábata Amaral aparece em livro didático do MEC de 2020

Esta é a primeira de uma série de 14 postagens que este blog realiza sobre ocorrências "questionáveis" nos livros didáticos reconhecidos pelo MEC/2020, anos finais do Ensino Fundamental, com validade para um período de 4 anos: 2020 a 2023. 



O livro de Língua Inglesa "BECOME", da Editora FTD, do PNLD 2020, cuja coleção tem o código 0357P20092, é destinado ao 7º ano do Ensino Fundamental. Ao longo das páginas 18-31, apresenta uma lição que trata da importância da Língua Inglesa para a inserção social e a formação de cidadãos globais, em consonância com a Base Nacional Comum Curricular (BNCC).
edital de convocação 01/2018 SEB/MEC  deu origem a este livro. A finalização do processo de escolha deu-se por meio da Portaria nº 27/2020 SEB/MEC PNLD 2020. Um edital que teve início no governo Temer e terminou no governo Bolsonaro.
Leia:  Editais de materiais didáticos que se estendem até 2023
O livro propõe ao aluno não somente a leitura mas também a reflexão sobre perfis public…

Afinal, o que mais incomoda os conservadores na BNCC?

O Censo Escolar (INEP/MEC, 2018) conta 36 milhões de alunos matriculados na Educação Infantil e no Ensino Fundamental, crianças de 0 a 14 anos. Estes dois grupos de alunos representam aproximadamente 17% da população brasileira.  
Em 10 anos, não será surpresa se a população abaixo dos 25 anos estiver próxima aos valores políticos e sociais encontrados em segmentos da Escola de Frankfurt, ao universalismo cultural e à Agenda 2030 para o desenvolvimento sustentável da Unesco.
A BNCC (da Educação Infantil e o Ensino Fundamental) organiza-se, implícita e explicitamente, com pelo menos essas correntes filosóficas e pedagógicas: materialismo dialético, teoria crítica, socioconstrutivismo, sociointeracionismo, relativismo, evolucionismo, desconstrutivismo, multiculturalismo, interculturalismo e politicamente correto. 

Portanto, por mais que os governos direitistas avancem na economia, justiça, segurança, infraestrutura e no comércio... Por mais que ressaltem o nacionalismo e os valores conserv…

Livros do MEC para o ano de 2019 virão com Ideologia de Gênero

As obras didáticas do PNLD/MEC 2019 são as primeiras alinhadas às políticas educacionais e ao projeto intercultural da BNCC, obrigatórios para todas as escolas do país. 

As escolas públicas e Secretarias de Educação que em tempo hábil registraram a escolha dos livros didáticos do Plano Nacional do Livro e do Material Didático (PNLD) 2019, receberão as obras no mês de janeiro/2019 para distribuição gratuita aos alunos.
O lote de livros desse edital é destinado à Pré-Escola (alunos de 4 a 5 anos e 11 meses), cujos exemplares serão disponibilizados apenas aos professores e à 1ª fase do Ensino Fundamental, do 1º ao 5º ano (alunos de 6 a 10 anos), sendo que os livros de Educação Física serão entregues somente aos professores.
Há indícios de que as editoras, de maneira generalizada, em maior ou menor grau, aplicaram em seus conteúdos à Ideologia de Gênero (IG), tornando difícil às escolas escolherem livros isentos dessa matéria.
Entende-se por IG, no caso dos livros didáticos e literários para …

Quem são os presidentes e os ministros da BNCC?

O processo de efetivação da BNCC (da Educação Infantil e do Ensino Fundamental) nos currículos escolares, no material didático e na formação dos professores passou por três presidentes da República e seis ministros efetivos da Educação, desde 2015.
Ainda no governo Dilma Rousseff, a primeira versão da BNCC enfrentou severas críticas e a acusação de alinhamento político com o "progressismo". 

Depois do impeachment, já de posse da segunda versão, os seus principais promotores empreenderam esforços argumentativos de proteção ao documento. Isto com o objetivo de fazer distanciar as suspeitas de ligação do currículo básico com políticas de governo ou de partido político. 

O discurso insistentemente avocado, da previsibilidade em Lei, passou a sustentar tanto a necessidade de pressa para sua efetivação quanto a tese de que a base curricular seria uma política de Estado.

Resumo das principais ações empreendidas por ministros efetivos da Educação e secretários executivos do Ministério d…