Pular para o conteúdo principal

Quanto o Brasil gasta com pesquisas de Gênero?


Será que as pesquisas multiculturais e interculturais, incluídas nelas as de gênero e aborto, constituem-se em um dos maiores gastos brasileiros com pesquisa científica?


Estas perguntas estão à espera de resposta desde que a Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão (SECADI), do Ministério da Educação (MEC) revelou, no final de 2015, que há mais de 1.000 grupos de pesquisa cadastrados no Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) tendo o gênero como eixo de estudo.

Confira a informação aqui:
Notícia dos 1.000 grupos de estudos de gênero cadastrados no CNPQ

A revelação desse número de grupos de estudo do CNPq  permite inferir que há pelo menos 15.000 pesquisadores, muitos deles com bolsas de estudo, exclusivamente dedicados ao desenvolvimento da temática de gênero nas universidades, faculdades e institutos tecnológicos superiores. Isto se estiver correta nossa estimativa de 15 participantes, em média, por grupo de estudo.

Logicamente, esses alunos e professores pesquisadores se distribuem entre os cursos de licenciatura, bacharelado, tecnológico, mestrado, doutorado e pós-doutorado além de estágios doutoral e pós-doutoral (sanduíche) no Brasil e no estrangeiro. 


Mesmo porque, as disciplinas multiculturais e interculturais, nelas incluídas as de gênero, não se restringem mais aos cursos de extensão, ciências sociais e licenciaturas. Cada vez mais elas integram grades curriculares de outras áreas como Direito, Administração, Publicidade, Jornalismo, Antropologia, Psicologia, Medicina, Enfermagem e até Arquitetura. 

Em algumas universidades, a exemplo da Universidade Federal da Bahia, essas temáticas se juntam e formam sozinhas uma nova proposta de curso de graduação. 

Da mesma forma, os temas já citados ganham cada vez mais espaço na grade de disciplinas e nas linhas de pesquisa de variados cursos de mestrado e doutorado.  

Não nos foi possível ainda conferir se há outro campo de pesquisas no Brasil com números semelhantes de grupos de estudos e de pesquisadores. 

É preciso esclarecer que estes números dizem respeito apenas ao CNPq e não incluem outra grande financiadora da pesquisa científica nacional, a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES). 


Integra da Nota Técnica que recomenda gênero aos planos de educação


Ficam também de fora do cálculo todas as agências estaduais de fomento à pesquisa, a exemplo da Fundação de Amparo à Pesquisa de São Paulo (FAPESP) e suas similares nos estados. Mas sabe-se de antemão, com a segurança dos indícios, que pesquisas de políticas de gênero são financiadas também com dinheiro de fundações estaduais.  




Neste caso, é possível supor que o número de grupos e pesquisadores da categoria de gênero amparados por bolsas de estudo pagas por alguma fundação pública (somando-se as federais e as estaduais), e destinadas à formação de alunos tanto em universidades brasileiras quanto estrangeiras, seja bem maior do que somente o número revelado pelo CNPq. 

Mas a pesquisa de gênero não caminha sozinha visto que ela compõe as pautas multiculturais e interculturais. Assim, confunde-se e atrela-se a elas estratégica e politicamente: sexualidades, feminismos, diversidades, discriminações, racismos, abortamento, identidades, violências, territorialidades. Todas elas ligadas aos direitos humanos reconfigurados e ressignificados pelo mesmo consórcio ideológico.

Vale registrar que a militância engajada desses campos de estudo, hegemônica na universidade brasileira e nas agências públicas de fomento à pesquisa, monopoliza o debate acadêmico. Com isto, o discurso questionador, contraditório e de dúvida, tão salutar ao ambiente universitário, é severamente censurado.

No atual quadro das políticas de pesquisa científica, o aluno de pós-graduação, especialmente, em seus estudos de mestrado e doutorado, dificilmente conseguirá levar adiante um projeto de dissertação ou tese numa perspectiva crítica às pautas do interculturalismo. 

Caso ele insista, é provável que não seja contemplado com bolsa de estudos (em razão do viés adotado para estudar o assunto) e também não consiga orientador ou, mais adiante,  formar uma banca de professores que aceite qualificar e depois avaliar sua pesquisa. 

Diante do exposto, é inevitável a pergunta: qual o lugar de participação das pesquisas multiculturais e interculturais, com destaque especial para o gênero e o aborto, na totalidade dos gastos e envolvimento de pessoal da pesquisa científica nacional?

Impressionado com o número de grupos de pesquisa cadastrados no CNPq para um único tema, o Senador Magno Malta (PR/ES), já em 2016, solicitou informações mais detalhadas ao MEC sobre o estado da pesquisa científica desenvolvida pelas Instituições Federais de Ensino. 



Sen. Magno Malta mostrou-se interessado em conhecer números e prioridades da pesquisa científica nacional.

As perguntas elaboradas por ele queriam saber o número exato de bolsistas, os títulos e temas das pesquisas, o investimento na publicação de revistas e livros, a titulação acadêmica dos pesquisadores e  os possíveis gastos com viagens e diárias. Pediam também a relação dos congressos, seminários, encontros, conferências, fóruns e simpósios universitários, questionamentos estes relacionados à temática de gênero. 

Como o MEC não tinha respostas precisas e conclusivas, o ministro da época, Aloízio Mercadante, sugeriu que as perguntas fossem encaminhadas diretamente e individualmente às agências de fomento, especialmente ao CNPq e à CAPES. E é nessa direção que, certamente, continuam os passos da consulta.

Mas um esforço para conhecer a totalidade dos números e o peso deles na pesquisa nacional somente se completará se, em cada estado, deputados estaduais de dispuserem a fazer levantamentos semelhantes nas fundações estaduais de pesquisa. 

Saber o tamanho do gasto público brasileiro com  o  estudo e desenvolvimento das políticas de gênero, multiculturalismo e interculturalismo em comparação com o investimento do país em pesquisas médicas, aeronáuticas, espaciais, agrícolas, energéticas, educacionais, veterinárias, tecnológicas e o desenvolvimento de vacinas é importante para compreender a natureza das prioridades e estratégias vigentes para o  desenvolvimento da nação. 

Este levantamento possibilitará também desvelar as origens universitárias, o modus operandi e a dimensão da estrutura responsável, em boa medida, pela rápida e profunda Revolução  Sociocultural e de Costumes em curso no país. 

Uma das hipóteses que poderá ou não ser confirmada é a participação, nessa revolução, dos milhares de grupos de estudo e de pesquisadores que aplicam e replicam o resultado dos seus trabalhos no interior da sociedade, com especial atenção às escolas, o judiciário, além dos meios de produção e difusão cultural. 

Muitos jovens ingressantes na universidade têm sido atraídos para estes estudos. Cooperam para isto, as boas perspectivas de carreira acadêmica, a possibilidade de inserção em novos e alternativos modelos culturais e, principalmente, a facilidade para conseguir bolsa de estudos.


Além das agências de fomento públicas estaduais e federais, as temáticas referidas encontram financiamento de pesquisa em fundações nacionais e estrangeiras, além de governos e comunidade de países, a exemplo da Organização das Nações Unidas (ONU) e Comunidade Europeia (CE).




Além das bolsas públicas brasileiras, os estudantes-pesquisadores de gênero e das demais pautas multiculturais e interculturais contam com o apoio de financiamento por parte da maioria das instituições representadas pelas siglas acima. E não somente estas, mas também diversas outras instituições.

O
s resultados desse projeto de revolução educacional e cultural são bastante efetivos e já se fazem sentir nas novas interpretações que se fazem da sociedade, religião, cultura, identidade humana, além das leis e dos direitos humanos. 

Refletem-se também na mudança da mentalidade coletiva, em boa parte como resultado da atuação profissional (em conformidade com a revolução cultural) de psicólogos, médicos, advogados, delegados, artistas, políticos, antropólogos, empresários, religiosos, promotores, juízes, jornalistas, cientistas políticos e sociais, professores, administradores e conselheiros tutelares. 


Orley José da Silva, é professor em Goiânia e especialmente interessado em conhecer o Currículo Escolar e o Livro Didático. É mestre em letras e linguística (UFG), mestrando em estudos teológicos (SPRBC) e doutorando em ciências da religião (PUC Goiás).





Nota:

BNCC INSTITUCIONALIZA AS POLÍTICAS MULTICULTURAIS E INTERCULTURAIS DAS IDENTIDADES ABERTAS E IMBRICADAS PARA A EDUCAÇÃO DE CRIANÇAS DE 0 A 14 ANOS.

A Base Nacional Comum Curricular (BNCC), homologada em 20 de dezembro pelo Ministro da Educação Mendonça Filho (sem que o Congresso solicitasse a passagem dela pelas duas casas legislativas para os necessários, responsáveis, conservadores e patrióticos ajustes, da maneira que fizeram com o Plano Nacional de Educação) consagra todas as políticas multiculturais e interculturais, institucionalizando-as na educação básica. 


Vale dizer que a BNCC, em fase de implantação até dezembro de 2019, é obrigatória para todas as escolas do país: públicas e particulares, inclusive as confessionais.

Conheça aqui as 4 versões da BNCC, todas as Audiências Públicas e Análises Técnicas

Por força da BNCC, todos os cursos de licenciatura de todas as faculdades e universidades serão reformulados de maneira a se adequarem às propostas pedagógicas e teorias da base. 


Todos os 3,5 milhões de professores da Educação Básica terão que ser (re)capacitados para compreenderem e aplicarem as diretrizes pedagógicas (de cunho político e valorativo) da BNCC. 

Os cursos de formação continuada de professores também serão reformulados, bem como os livros didáticos e as provas seletivas e avaliativas do MEC.

Para que todo esse esforço de reformulação pedagógica ocorra, além de ocupar os milhares de pesquisadores de multiculturalismo, interculturalismo e gênero já prontos, impulsionará o aumento de vagas e cursos nas universidades para atenderem tanto esta emergência quanto as necessidades futuras da educação continuada de professores das escolas e creches. 

Ou seja, os mecanismos de propagação e de retroalimentação da presente revolução sociocultural (em função do currículo escolar das crianças de hoje, entre zero e 14 anos) serão aprofundados e estarão sempre bem azeitados e com boa saúde.


Uma revolução sociocultural silenciosa e indolor.

Em suma, não é exagero supor que as estratégias escolares estejam montadas (via BNCC) para que a média da mentalidade social do Brasil no futuro (quando as crianças e adolescentes de hoje se tornarem adultas) seja multi e intercultural.


Ideologia de Gênero de uma maneira fácil

Como a BNCC foi construída?












































Comentários

  1. Fala serio. Nosso ensino superior e uma piada.

    ResponderExcluir
  2. Pela quantidade de comentários, dá pra assustar com o quanto nos estamos preocupados com o futuro de nossa Nação.
    Se não houver uma contra-revolução cultural que prime pelos valores da vida e da família, o futuro será muito tenebroso. Misericórdia!!!

    ResponderExcluir
  3. Gostaria de saber quando foi sua última estada numa sala de aula? Hoje por ex fiquei sabendo que um pai estreou uma menina. Por coincidência eram evangélicos esse é só um caso muitas meninas e meninas veem num professor uma pessoa que eles podem confiar é claro que existem alguns que não estão nem aí. Mas a maioria se importa. Sabe o que a mãe alegou que ele só queria tirar o demónio dele. Mas o trauma que esta menina vai carregar pro resto da vida a família cristã não se importa a professora dela chorou e se sinto impotente tanto que foi hospitalizada e há vários casos que os alunos sofrem e na escola aprende o q é certo e o que é errado sim. Senhor já que se diz Cristão lembre dos ensinamento de Cristo o primeiro professor. .

    ResponderExcluir
  4. Temos graves e sérios problemas na EDUCAÇÃO da juventude brasileira, todos LIGADOS ao baixo nível de APRENDIZAGEM em MATEMÁTICA, PORTUGUÊS, CIÊNCIAS e CONHECIMENTOS GERAIS... 80% dos nossos jovens são uma vergonha quando submetidos a TESTES BÁSICOS dentro da grade curricular.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Quando a família do aluno processa a escola por danos morais

Conheça dois modelos de "notificação extrajudicial" que poderão ser usados no relacionamento entre a família e a escola, no sentido de proteger o aluno especialmente contra a doutrinação política, partidária e de gênero.




O Procurador da República Guilherme Schelb desenvolveu um modelo de "notificação extrajudicial" para que pais e/ou responsáveis protejam os filhos contra o ensino da Ideologia de Gênero pelas escolas. Por este simples documento, escolas e professores são notificados pelas famílias de processá-los por danos morais pelo ensino dessa ideologia que visa, através da educação, promover uma revolução sexual e familiar. Isto a partir das crianças e adolescentes.
Caso professores e escolas se recusem a assinar o documento, há duas atitudes que os pais e/ou responsáveis poderão tomar para que o documento tenha validade jurídica. A primeira, é dirigirem-se ao Cartório de Registro de Títulos e Documentos com o nome e endereço da escola, para que a escola seja c…

ONG feminista "Católicas pelo direito de dedicir" em livro didático do MEC para 2020

Esta é a quarta de quatorze postagens que este blog apresenta sobre alguns temas abordados pelos livros didáticos recomendados pelo MEC (PNLD/2020) para os anos finais do Ensino Fundamental  (6º ao 9º ano), com validade de quatro anos: 2020 à 2023. 
Leia antes as três postagens anteriores ( a 1ª , a 2ª  e a 3ª. )

O movimento feminista nos livros didáticos de 2020
Trata-se da primeira remessa de livros em conformidade com a versão homologada (dez/2017) da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) para a Educação Infantil e o Ensino Fundamental, crianças de 0 a 14 anos. 



O objetivo desta postagem é mostrar a presença da ONG feminista Católicas pelo Direito de Decidir no currículo dos anos finais do Ensino Fundamental, em páginas de um livro de Língua Inglesa   do PNLD/2020.

É de conhecimento público que esta ONG não conta com o apoio oficial da Igreja Católica Romana. Composta por um grupo minoritário de autodeclarados católicos, tem como pauta principal a defesa do aborto.

No entanto, no seio da…

Engajamento político e militância no livro didático do MEC de 2020

O livro didático de 2020 amplifica e normaliza em sala de aula as discussões políticas e ideológicas. Mas vai além: com a alegação de despertar no aluno a consciência crítica, incentiva-o a engajar-se em movimentos sociais, lutas políticas e de classe. 





Com a atitude de fundamentar a crítica política e social em sala de aula infanto-adolescente, em conformidade com a Teoria Crítica, o PNLD/2020 dificulta iniciativas contestatórias da sociedade civil, a exemplo das associações de pais e do Escola Sem Partido. 




É importante observar a intencionalidade do jogo semiótico e semântico presente na construção dos capítulos dos livros. 
Não é aleatória a escolha de bandeiras, símbolos, cores, gestualidades das pessoas,  imagens e passeatas que se identificam com cenários de manifestações públicas organizadas pela esquerda política brasileira e internacional.
Também não é sem propósito ideológico a seleção de termos e palavras encontrados nos livros didáticos: militância, ativismo, cidadão crítico,…

Fake news no livro didático do MEC para 2020

Esta é a segunda de quatorze postagens que este blog apresenta sobre alguns temas abordados pelos livros didáticos recomendados pelo MEC (PNLD/2020) para os anos finais do Ensino Fundamental  (6º ao 9º ano), com validade de quatro anos: 2020 à 2023. 


Leia: Editais de materiais didáticos que se se estendem até 2023

Trata-se da primeira remessa de livros em conformidade com a versão homologada da Base Nacional Comum Curricular (BNCC).
Esse conjunto de postagens tem sido feito exclusivamente com livros de Língua Inglesa e Língua Portuguesa. Os livros das demais disciplinas serão analisados em outra oportunidade. 
Os livros são organizados em capítulos. Cada um deles, além de contemplar um aspecto gramatical é regido por um tema específico.  
Alguns dos temas recorrentes nos capítulos do 6º ao 9º ano são: fake news, aquecimento global, globalização, multiculturalismo, interculturalismo, gênero, feminismo, racismo, discriminação, cidadania global, direitos humanos, engajamento em protestos polít…

O movimento feminista no livro didático do MEC para 2020

Esta é a terceira de quatorze postagens que este blog apresenta sobre alguns temas abordados pelos livros didáticos recomendados pelo MEC (PNLD/2020) para os anos finais do Ensino Fundamental  (6º ao 9º ano), com validade de quatro anos: 2020 à 2023. 
Trata-se da primeira remessa de livros em conformidade com a versão homologada (dez/2017) da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) para a Educação Infantil e o Ensino Fundamental, crianças de 0 a 14 anos. 
O objetivo desta postagem é mostrar a presença do feminismo no currículo dos anos finais Ensino Fundamental, através de páginas escolhidas em 10 livros diferentes de Língua Inglesa e Língua Portuguesa do PNLD/2020.
Esta postagem, neste momento, não analisará pontualmente as páginas e imagens apresentadas, deixando essa tarefa por conta do leitor e dos especialistas em educação.  
A observação da existência de um modelo gradativo de ensino que vem desde a Educação Infantil permite supor que, ao final do Ensino Fundamental, os alunos terão c…

Tábata Amaral aparece em livro didático do MEC de 2020

Esta é a primeira de uma série de 14 postagens que este blog realiza sobre ocorrências "questionáveis" nos livros didáticos reconhecidos pelo MEC/2020, anos finais do Ensino Fundamental, com validade para um período de 4 anos: 2020 a 2023. 



O livro de Língua Inglesa "BECOME", da Editora FTD, do PNLD 2020, cuja coleção tem o código 0357P20092, é destinado ao 7º ano do Ensino Fundamental. Ao longo das páginas 18-31, apresenta uma lição que trata da importância da Língua Inglesa para a inserção social e a formação de cidadãos globais, em consonância com a Base Nacional Comum Curricular (BNCC).
edital de convocação 01/2018 SEB/MEC  deu origem a este livro. A finalização do processo de escolha deu-se por meio da Portaria nº 27/2020 SEB/MEC PNLD 2020. Um edital que teve início no governo Temer e terminou no governo Bolsonaro.
Leia:  Editais de materiais didáticos que se estendem até 2023
O livro propõe ao aluno não somente a leitura mas também a reflexão sobre perfis public…

A BNCC em um voo de galinha da direita brasileira

No final de 10 anos, praticamente toda a população brasileira abaixo dos 25 anos terá sido escolarizada em conformidade com os desdobramentos da Escola de Frankfurt), o universalismo cultural e a Agenda 2030 de desenvolvimento sustentável da Unesco.



Prevista em Lei,[i] a Base Nacional Comum Curricular (BNCC),[ii] obrigatória para a Educação Infantil e o Ensino Fundamental (crianças de 0 a 14 anos) de todas as creches e escolas públicas e privadas, com validade a partir de janeiro de 2020, foi aprovada pelo Conselho Nacional de Educação (CNE)  no dia 15 de dezembro de 2017 e homologada cinco dias depois[iii] pelo Ministro da Educação (MEC), Mendonça Filho.
Os dois anos seguintes à homologação[iv] foram dedicados para: 1) ajustar os currículos de todas as creches e escolas do país à BNCC; 2) adequar os conteúdos dos materiais didáticos; 3) mudar as avaliações institucionais da Educação Infantil e do Ensino Fundamental; 4) reformular os currículos de licenciatura das faculdades e universid…

Livros do MEC de 2019 trazem cardápio religioso para as crianças

Em atendimento à proposta de ensino religioso da BNCC, diferentes crenças, ritos e tradições religiosas são apresentadas às crianças pelos livros didáticos do PNLD/MEC do quadriênio 2019/22. Tudo de acordo com a visão materialista das ciências humanas e sociais.

Durante a elaboração da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), havia a possibilidade de escolher entre pelo menos quatro alternativas para o Ensino Religioso.
A primeira, esquivar-se do tema deixando que escolas e sistemas educacionais se organizassem livremente de acordo com a legislação vigente. 
A segunda, acompanhar a interpretação do Superior Tribunal Federal (STF) pela constitucionalidade do ensino confessional nas escolas por ocasião do julgamento da Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 4439, que decidiu pela constitucionalidade do ensino religioso confessional nas escolas oficiais do país. 
 A terceira, apresentar um estudo eminentemente histórico e descritivo das religiões, de maneira isonômica. 
A quarta, questiona…

Afinal, o que mais incomoda aos conservadores na BNCC?

O Censo Escolar (INEP/MEC, 2018) conta 36 milhões de alunos matriculados na Educação Infantil e no Ensino Fundamental, crianças de 0 a 14 anos. Estes dois grupos de alunos representam aproximadamente 17% da população brasileira.  
Em 10 anos, não será surpresa se a população abaixo dos 25 anos estiver próxima aos valores políticos e sociais encontrados em segmentos da Escola de Frankfurt, ao universalismo cultural e à Agenda 2030 para o desenvolvimento sustentável da Unesco.
A BNCC (da Educação Infantil e o Ensino Fundamental) organiza-se, implícita e explicitamente, com pelo menos essas correntes filosóficas e pedagógicas: materialismo dialético, teoria crítica, socioconstrutivismo, sociointeracionismo, relativismo, evolucionismo, desconstrutivismo, multiculturalismo, interculturalismo e politicamente correto. 

Portanto, por mais que os governos direitistas avancem na economia, justiça, segurança, infraestrutura e no comércio... Por mais que ressaltem o nacionalismo e os valores conserv…

Ocultismo e assassinato em contos para alfabetização e letramento na escola pública

Um livro de contos macabros, com requintes de terror e pânico para crianças em fase final de alfabetização e letramento de escolas públicas, vem recebendo severas críticas de pais, professores e políticos. Essa reprovação acontece porque, na intenção deliberada de provocar medo no leitor, os organizadores recorreram a relatos de magia negra, bruxaria, feitiçaria, sacrifício com sangue humano e de animais, aparição de espíritos, demonismo, maldade com pessoas e animais, além de assassinatos.
O programa escolar de leitura e escrita que resultou no livro de contos BÚ! Histórias de Medo e Coragem, é uma iniciativa da empresa espanhola de energia, Endesa Brasil, em parceria com o Ministério da Cultura e publicado com ajuda da Lei de Incentivo à Cultura. Desde o começo deste ano, a obra é distribuída para escolas públicas e utilizada no processo de alfabetização e também letramento de crianças do 4º e 5º anos do Ensino Fundamental.
No ano passado, a empresa realizou um concurso literário em 5…