Pular para o conteúdo principal

Professores contra ideologia de gênero na 3ª versão da base curricular do MEC

CARTA ABERTA AOS MEMBROS DAS FRENTES CATÓLICA E EVANGÉLICA DO CONGRESSO NACIONAL


Brasília, 03 de abril de 2017


Senhores parlamentares,


Nós, os professores abaixo-relacionados, requeremos-lhes duas ações efetivas e urgentes:
A interrupção imediata do trâmite da Base Nacional Comum Curricular (doravante BNCC), até que as referências à Ideologia de Gênero sejam removidas. 
2. A revogação do inciso II, do Art. 25, do Decreto Presidencial nº 9005, de 14 de março de 2017, que aprova a Estrutura Regimental do MEC, com Ideologia de Gênero.

Vimos, com esperança, pedir-lhes o imediato esforço político no sentido de fazer prorrogar a entrega da 3ª versão da BNCC, pelo Ministério da Educação (MEC), ao Conselho Nacional de Educação (CNE), cuja solenidade está prevista para quinta-feira, dia 06 de abril, das 11 às 13h.





Recordamos-lhes que essa entrega ao CNE estava marcada para o mês passado (vejam aqui: http://portal.mec.gov.br/ultimas-noticias/211-218175739/44571-terceira-versao-da-bncc-inova-na-estrutura-e-propoe-mudancas ). No entanto, a entrega foi prorrogada para o próximo dia 6 de abril em função dos protestos nas redes sociais, ruas e praças de algumas cidades, além dos decisivos pleitos de representantes das frentes evangélica e católica junto ao Ministro da Educação. Inclusive, os deputados João Campos e Sóstenes Cavalcante lideraram uma comitiva ao MEC, dia 14 de março, com essa finalidade.

Vale ressaltar que o Decreto 9005/17 foi assinado no mesmo dia 14 de março.

Nosso pedido baseia-se nos fortes indícios relatados abaixo de que a 3ª versão da BNCC esteja, de fato, contaminada com Ideologia de Gênero. Essa nossa convicção não mudou mesmo com as declarações e intenções dos técnicos do MEC afirmando o contrário. Isto porque as justificativas ficaram no campo do discurso e não houve a esperada divulgação integral do texto da última versão, para a devida conferência.

Dos indícios:
As duas últimas versões da BNCC contêm ações e estratégias elaboradas com base na perspectiva de gênero. No total, observamos e divulgamos mais de 50 ocorrências nos dois documentos (Ver artigo em http://www.midiasemmascara.org/artigos/educacao/16211-2015-11-24-20-12-40.html). 

Nos dias 25 e 26 de janeiro, o MEC fez o lançamento da 3ª versão da BNCC. Na ocasião, a coordenadora Ghisleine Trigo Silveira apresentou os eixos norteadores do documento. Um dos principais EIXOS da Base Curricular é desenvolver no aluno “competências pessoais e sociais” que perpassarão os conteúdos das diversas disciplinas e a Ideologia de Gênero tem lugar de destaque. Os senhores poderão conferir na página 7 do power point utilizado pela coordenadora da BNCC a seguinte transcrição: “fazer-se respeitar e promover o respeito ao outro, acolhendo e valorizando a diversidade dos indivíduos e de grupos sociais, sem preconceitos baseados nas diferenças de origem, etnia, gênero, orientação sexual, idade, habilidade/ necessidade, fé religiosa ou de qualquer outro tipo” [grifo nosso] (Fonte:http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=56621-bncc-apresentacao-fundamentos-pedagogicos-estrutura-pdf&category_slug=janeiro-2017-pdf&Itemid=30192).

Cabe aqui uma pergunta: qual o interesse do MEC em não divulgar (e com antecedência) a íntegra da 3ª versão da BNCC, antes do seu envio ao CNE, visto que as duas primeiras versões foram amplamente divulgadas no site do próprio Ministério? Justamente o CNE que é declaradamente favorável à inserção da Ideologia de Gênero no currículo escolar.

O CNE entende que plano de educação sem a perspectiva de Gênero é incompleto, conforme nota pública de 01/09/2015, dirigida às Câmaras Municipais, Câmara Distrital e Assembleias Legislativas que discutiam seus Planos Estaduais, Distrital e Municipais de Educação. Nesta nota, o Conselho Nacional de Educação reprova (indiretamente) a decisão do Congresso Nacional de retirar a Ideologia de Gênero do Plano Nacional de Educação (PNE) e recomenda às casas legislativas (em desobediência ao Congresso) a inserirem as temáticas de Orientação Sexual, Diversidade de Gênero e Identidade de Gênero nos seus documentos educacionais, sem as quais os planos de educação estariam “incompletos” (vejam a nota pública na íntegra:

http://www.spm.gov.br/noticias/conselho-nacional-de-educacao-emite-nota-sobre-ideologia-de-genero-nos-planos-de-educacao/nota_publica_sobre_ideologia_genero_01_09-1.pdf )


É pertinente observar que tanto o Decreto nº 9005/2017 quanto a BNCC mantêm mesmo o espírito das expressões retiradas e substituídas nas votações da Lei 13.005/2014 (PNE). Os dois documentos valem-se da costumeira e eficiente estratégia de elencar alguns tipos de preconceito a serem evitados com o puro pretexto de inserir neles o que realmente lhes interessa: gênero e orientação sexual.



Relembrando a votação do PNE:
A título de recordação, para facilitar a comparação, trazemos de volta as duas redações do Art 2º, das votações do Plano Nacional de Educação.

A redação original, enviada pelo Governo Dilma, dizia assim:  "Art. 2º São diretrizes do PNE: [...] III - superação das desigualdades educacionais, com ênfase na promoção da igualdade racial, regional, de gênero e de orientação sexual. "

No entanto, a redação que prevaleceu foi esta: "Art. 2, inc. III. São diretrizes do PNE "a superação das desigualdades educacionais, com ênfase na promoção da cidadania e na erradicação de todas as formas de discriminação". 

A partirda redação de consenso encontrada pelo Congresso, não se faz necessário elencar alguns tipos de preconceito social. Mesmo porque, é impossível relacionar todos. Mas, tanto a BNCC quanto o Decreto usam a costumeira e eficiente estratégia discursiva e propagandística dessa ideologia de elencar alguns tipos de preconceito com o puro pretexto de inserir no meio deles o que realmente lhes interessa: gênero e orientação sexual.

Quanto as justificativas dos defensores da Ideologia de Gênero, inclusive as contestadas alegações de defesa do direito das mulheres e minorias sexuais, poderão ser buscadas nos arquivos das audiências públicas das comissões e plenário das duas casas legislativas, no período das discussões do PNE.

Nós, professores abaixo-relacionados, somos contra os estudos acadêmicos de gênero?
Absolutamente, não. Reconhecemos a legitimidade da academia de estudar teorias e fenômenos sociais. Principalmente aqueles que descrevem os mais diferentes fenômenos sociais. Alguns de nós são pesquisadores, inclusive, da pesquisa social. Nossa objeção, no presente caso, é quanto ao esforço do campo de estudos da Ideologia de Gênero de prescrever “achados subjetivos e subversivos”, principalmente na educação de crianças e adolescentes. Isto sem considerar os graus de amadurecimento psicológico e emocional dos alunos e também o direito dos pais em dirigirem a formação moral e sexual dos filhos.

Soma-se a isso, o próprio reconhecimento desse campo de estudos quanto à diversidade de linhas e conflitos existentes em seu bojo. Também, as assumidas características de permanente instabilidade, provisoriedade e subversão dos padrões de normalidade e moralidade.

A importância de preservar a BNCC
O atual conteúdo das escolas brasileiras é apenas sugerido pelos Parâmetros Curriculares Nacionais, complementado pelos Temas Transversais. Esses documentos são apenas norteadores ou sugestivos.
Quando a BNCC entrar em vigor, automaticamente os PCNs e os Temas Transversais perderão o valor. A BNCC cumprirá o papel de currículo obrigatório.  Todas as escolas públicas, particulares e mesmo confessionais terão que cumpri-la, mesmo que o conteúdo transversal seja Ideologia de Gênero.  Depois de cumpridas as obrigações com a Base Curricular, as escolas e sistemas de ensino poderão acrescentar 40% em conteúdo de livre escolha.

Sem haver previsão de aplicação da Ideologia de Gênero no plano educacional nacional, do Distrito Federal e da maioria dos Estados e Municípios, a luta contra este ensino tem, já, sido grande. Imaginem os senhores, como ficaria a situação caso o assunto permaneça fixado no Decreto 9005/2017 e na BNCC.


À guisa de conclusão

Senhores parlamentares,

Não se iludam. A Ideologia de Gênero não é ingênua, inocente e nem portadora de boas intenções. Ela é, na verdade, um extraordinário projeto de reengenharia cultural e social operado nas mentes de crianças e adolescentes, com o motivo inconfesso (publicamente) de modelar a seu modo a sociedade do futuro.

E esta é uma luta de resistência que precisa valer a pena aos senhores.

Reconhecemos que este Governo é incomparavelmente mais sensível às pautas que visem proteger os interesses formativos das famílias sobre suas crianças e adolescentes. No entanto, devemos reconhecer que as engrenagens que possibilitam a governabilidade foram (e ainda estão) cuidadosamente aparelhadas em benefício da revolução social e cultural gramsciana. O sistema de ensino, do qual o MEC faz parte, é o setor mais estratégico e mais bem estruturado dessa revolução em marcha, invisível e sem rosto, que independe de partido político ou de quem esteja no Governo Central.

O MEC é apenas um satélite no universo sincronizado do Sistema de Ensino, universo esse inteligentemente estruturado ao longo das últimas duas décadas para funcionar perfeitamente lá na ponta, onde está o aluno, independentemente do próprio MEC, do seu ministro ou mesmo do Planalto.

E a desmontagem dos mecanismos de funcionamento desse universo educacional é uma necessidade, caso o país almeje, realmente, um futuro livre e democrático.

Esta constatação deve servir de motivação aos senhores neste momento que exige união e desprendimento para montar uma grande força política capaz de barrar a Ideologia de Gênero na educação de crianças e adolescentes.

No nosso entendimento, este é um momento absolutamente decisivo para mudar a sorte da educação de crianças e adolescentes do nosso país. Duas gerações já foram contaminadas e temos visto os resultados disso nos jovens de hoje.

Por essa razão, contamos com a vossa pressão junto ao Ministro da Educação e ao Presidente da República em defesa da integridade física, emocional e intelectual das crianças e adolescentes brasileiros.

Atenciosamente,


Aloma Ribeiro Felizardo, pedagoga, doutoranda em psicologia social (Universidade Kennedy, Buenos Aires), é professora em São Paulo.

Carlos Eduardo Lyra Lins, jornalista e professor em Belo Horizonte.

Cristiane Feitosa Pinheiro, mestre e doutora em educação (UFPI) e professora na UFPI, em Picos (PI)

Débora Cristina de Melo, matemática e bióloga, professora no ensino médio, em Goiânia.

Emerson Martins, mestre em geografia (UFG), professor no ensino fundamental e no ensino médio em Goiânia.

Fernanda Silvestre Santos Batista, pedagoga (UFG), especialista em educação, professora na educação infantil, da Rede Municipal de Ensino de Goiânia.

Instituto de Estudos Independentes - INTESI, Teresina (PI)

Marajá João Alves de Mendonça Filho, mestre em geografia (UFG) e doutor em geografia (UnB), professor na UEG.

Mariana de Simone Kaadi Pio, é mestre em história (UFG), professora no ensino fundamental, em Goiânia.

Marlos José Ribeiro Guimarães, mestre e doutor em engenharia civil (UnB), professor universitário, em Goiânia.

Nelber Ximenes Melo, engenheiro eletricista, mestre em engenharia elétrica (UFC), professor na UFPI


Orley José da Silva, mestre em letras e linguística (UFG), doutorando em ciências da religião (PUC Goiás), professor no ensino fundamental, da Rede Municipal de Ensino de Goiânia.

Silvailde de Souza Martins Rocha, pedagoga, mestre em gestão da educação básica (UnB), coordenadora pedagógica em Teresina (PI)

Viviane Petinelli, doutora em ciência política (Harvard), docente e pesquisadora na UFMG, em Belo Horizonte.

Walter de Paula Silva, mestre em direito (UC Brasília), professor universitário em Goiânia.









Comentários

  1. O petismo (e o PT) venera, adora, louva e cultua a baixa-cultura, o brega, barango, o Kitsch, o mau gosto. Tem ódio da arte de elite (Dostoiévski, por exemplo. Ou Villa-Lobos etc.):

    O conceito, a ideia ou a "constelação" de arte não são excessivamente relativistas ao extremo:

    ¿o que seria ARTE?...

    ¿Anitta é ARTE?

    Completo relativismo (ou RELATIVISMO versus UNIVERSALISMO):
    A exposição barangona do banco Santander
    é puro lixo pós-moderno ou sei lá o quê.
    De um mau gosto engana-trouxa enorme. ��

    Há que se fazer sim distinção entre uma coisa e outra,
    mesmo que pareça difícil de o fazer à 1ª vista:
    ¿ou será que se pauta completamente pelo relativismo extremado
    em que “TUDO é ARTE”?
    Nesse caso, então, música de Xuxa é arte?
    E Sertanejo Universitário é arte?
    ANITTA é arte?
    Kuá, kuá, kuá!

    =======================
    BACH -- sim -- é ARTE.
    =======================

    O Que se deseja mesmo é ser um "moderninho". Repare.
 É com esses doutorzinhos de universidade — o Gaudêncio Fidelis — que a gente vai ter que lidar.

    Vídeo pequeno no YouTube
 [Para poder ver, copie e cole]:
    http://m.youtube.com/watch?v=wsAZQMvGY0E

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Livros do MEC de 2019 trazem cardápio religioso para as crianças

Em atendimento à proposta de ensino religioso da BNCC, diferentes crenças, ritos e tradições religiosas são apresentadas às crianças pelos livros didáticos do PNLD/MEC do quadriênio 2019/22. Tudo de acordo com a visão materialista das ciências humanas e sociais.

Durante a elaboração da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), havia a possibilidade de escolher entre pelo menos quatro alternativas para o Ensino Religioso.
A primeira, esquivar-se do tema deixando que escolas e sistemas educacionais se organizassem livremente de acordo com a legislação vigente. 
A segunda, acompanhar a interpretação do Superior Tribunal Federal (STF) pela constitucionalidade do ensino confessional nas escolas por ocasião do julgamento da Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 4439, que decidiu pela constitucionalidade do ensino religioso confessional nas escolas oficiais do país. 
 A terceira, apresentar um estudo eminentemente histórico e descritivo das religiões, de maneira isonômica. 
A quarta, questiona…

Especialistas conservadores questionam BNCC

UMA NOTA EXPLICATIVA CONSERVADORA SOBRE A BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR (BNCC) DO ENSINO FUNDAMENTAL.A advogada e assessora parlamentar Damares Alves e os professores Orley José da Silva, Sandra Lima de Vasconcelos Ramos e Viviane Petinelli e Silva, analisaram criticamente a versão homologada da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), da Educação Infantil e do Ensino Fundamental, de acordo com a perspectiva conservadora cristã.



Esta análise, de maneira ampliada, tanto impressa quanto em formato digital, foi entregue ao Ministro da Educação, Mendonça Filho, antes da homologação da BNCC. O encontro foi possível graças à intermediação da Frente Parlamentar Evangélica, que tem como presidente o dep. Hidekazu Takayama.  Infelizmente, o MEC não considerou o alerta e as sugestões dessa análise. Em vista disto, algumas das preocupações se confirmam com o ENEM/2018 e os livros didáticos e literários previstos para 2019. Damares Alves Orley José da Silva Sandra Lima de Vasconcelos Ramos Viviane Pet…

Quando a família do aluno processa a escola por danos morais

Conheça dois modelos de "notificação extrajudicial" que poderão ser usados no relacionamento entre a família e a escola, no sentido de proteger o aluno especialmente contra a doutrinação política, partidária e de gênero.




O Procurador da República Guilherme Schelb desenvolveu um modelo de "notificação extrajudicial" para que pais e/ou responsáveis protejam os filhos contra o ensino da Ideologia de Gênero pelas escolas. Por este simples documento, escolas e professores são notificados pelas famílias de processá-los por danos morais pelo ensino dessa ideologia que visa, através da educação, promover uma revolução sexual e familiar. Isto a partir das crianças e adolescentes.
Caso professores e escolas se recusem a assinar o documento, há duas atitudes que os pais e/ou responsáveis poderão tomar para que o documento tenha validade jurídica. A primeira, é dirigirem-se ao Cartório de Registro de Títulos e Documentos com o nome e endereço da escola, para que a escola seja c…

Ocultismo e assassinato em contos para alfabetização e letramento da escola pública

Um livro de contos macabros, com requintes de terror e pânico para crianças em fase final de alfabetização e letramento de escolas públicas, vem recebendo severas críticas de pais, professores e políticos. Essa reprovação acontece porque, na intenção deliberada de provocar medo no leitor, os organizadores recorreram a relatos de magia negra, bruxaria, feitiçaria, sacrifício com sangue humano e de animais, aparição de espíritos, demonismo, maldade com pessoas e animais, além de assassinatos.
O programa escolar de leitura e escrita que resultou no livro de contos BÚ! Histórias de Medo e Coragem, é uma iniciativa da empresa espanhola de energia, Endesa Brasil, em parceria com o Ministério da Cultura e publicado com ajuda da Lei de Incentivo à Cultura. Desde o começo deste ano, a obra é distribuída para escolas públicas e utilizada no processo de alfabetização e também letramento de crianças do 4º e 5º anos do Ensino Fundamental.
No ano passado, a empresa realizou um concurso literário em 5…

Agenda 2030 da ONU direciona livro didático do MEC de 2020

Observações realizadas em livros didáticos de Língua Portuguesa e Língua Inglesa do PNLD/2020 apontam que os mesmos contemplam, de maneira transversal, as metas da Agenda 2030 da Unesco, em conformidade com a Base Nacional Comum Curricular (BNCC).



(Imagem recortada da página do livro didático)

Mas a referência aos 17 objetivos que a ONU afirma serem para o desenvolvimento sustentável do mundo estão presentes em livros não somente de Português e Inglês mas também das outras disciplinas.
Desta forma, ao aplicar essa temática à educação dos alunos, ano após ano, em todas as disciplinas, contribui para a formação de uma sociedade global, com uma ética cultural semelhante e a assimilação de valores multi e interculturais.  




Esta é a sexta de quatorze postagens que este blog apresenta sobre alguns temas abordados pelos livros didáticos recomendados pelo MEC ( PNLD/2020 ) para os anos finais do Ensino Fundamental  (6º ao 9º ano), com validade de quatro anos: 2020 à 2023. 
A presente pesquisa foi…

MEC não desiste: livros de 2016 para crianças de 6 a 10 anos vêm com Ideologia de Gênero

As crianças de escolas públicas e privadas que estudarem com os livros didáticos/2016 do MEC para a primeira fase do Ensino Fundamental serão informadas sobre arranjos familiares de gays e lésbicas, com adoção de filhos. Elas tomarão conhecimento de bigamia, poligamia, bissexualismo e transsexualismo. Aprenderão a observar melhor os próprios corpos e os corpos dos outros através de exercícios em sala de aula, orientados pelo livro didático. Os livros também lhes dirão das doenças sexualmente transmissíveis e dos mais diferentes métodos anticonceptivos. A ministração desses conteúdos se inicia já no 1º ano, onde os alunos têm 6 anos de idade e, numa gradação de complexidade, termina no 5º ano com alunos de 10 anos. 
A estratégia pedagógica obedece ao princípio da repetição exaustiva do conteúdo. Durante o mesmo ano letivo o aluno ouvirá, lerá e fará exercícios seguidas vezes sobre esses assuntos com professores e disciplinas diferentes: Português, Geografia, Ciências, História, Ciências…

Tábata Amaral aparece em livro didático do MEC de 2020

Esta é a primeira de uma série de 14 postagens que este blog realiza sobre ocorrências "questionáveis" nos livros didáticos reconhecidos pelo MEC/2020, anos finais do Ensino Fundamental, com validade para um período de 4 anos: 2020 a 2023. 



O livro de Língua Inglesa "BECOME", da Editora FTD, do PNLD 2020, cuja coleção tem o código 0357P20092, é destinado ao 7º ano do Ensino Fundamental. Ao longo das páginas 18-31, apresenta uma lição que trata da importância da Língua Inglesa para a inserção social e a formação de cidadãos globais, em consonância com a Base Nacional Comum Curricular (BNCC).
edital de convocação 01/2018 SEB/MEC  deu origem a este livro. A finalização do processo de escolha deu-se por meio da Portaria nº 27/2020 SEB/MEC PNLD 2020. Um edital que teve início no governo Temer e terminou no governo Bolsonaro.
Leia:  Editais de materiais didáticos que se estendem até 2023
O livro propõe ao aluno não somente a leitura mas também a reflexão sobre perfis public…

Afinal, o que mais incomoda os conservadores na BNCC?

O Censo Escolar (INEP/MEC, 2018) conta 36 milhões de alunos matriculados na Educação Infantil e no Ensino Fundamental, crianças de 0 a 14 anos. Estes dois grupos de alunos representam aproximadamente 17% da população brasileira.  
Em 10 anos, não será surpresa se a população abaixo dos 25 anos estiver próxima aos valores políticos e sociais encontrados em segmentos da Escola de Frankfurt, ao universalismo cultural e à Agenda 2030 para o desenvolvimento sustentável da Unesco.
A BNCC (da Educação Infantil e o Ensino Fundamental) organiza-se, implícita e explicitamente, com pelo menos essas correntes filosóficas e pedagógicas: materialismo dialético, teoria crítica, socioconstrutivismo, sociointeracionismo, relativismo, evolucionismo, desconstrutivismo, multiculturalismo, interculturalismo e politicamente correto. 

Portanto, por mais que os governos direitistas avancem na economia, justiça, segurança, infraestrutura e no comércio... Por mais que ressaltem o nacionalismo e os valores conserv…

Livros do MEC para o ano de 2019 virão com Ideologia de Gênero

As obras didáticas do PNLD/MEC 2019 são as primeiras alinhadas às políticas educacionais e ao projeto intercultural da BNCC, obrigatórios para todas as escolas do país. 

As escolas públicas e Secretarias de Educação que em tempo hábil registraram a escolha dos livros didáticos do Plano Nacional do Livro e do Material Didático (PNLD) 2019, receberão as obras no mês de janeiro/2019 para distribuição gratuita aos alunos.
O lote de livros desse edital é destinado à Pré-Escola (alunos de 4 a 5 anos e 11 meses), cujos exemplares serão disponibilizados apenas aos professores e à 1ª fase do Ensino Fundamental, do 1º ao 5º ano (alunos de 6 a 10 anos), sendo que os livros de Educação Física serão entregues somente aos professores.
Há indícios de que as editoras, de maneira generalizada, em maior ou menor grau, aplicaram em seus conteúdos à Ideologia de Gênero (IG), tornando difícil às escolas escolherem livros isentos dessa matéria.
Entende-se por IG, no caso dos livros didáticos e literários para …

Quem são os presidentes e os ministros da BNCC?

O processo de efetivação da BNCC (da Educação Infantil e do Ensino Fundamental) nos currículos escolares, no material didático e na formação dos professores passou por três presidentes da República e seis ministros efetivos da Educação, desde 2015.
Ainda no governo Dilma Rousseff, a primeira versão da BNCC enfrentou severas críticas e a acusação de alinhamento político com o "progressismo". 

Depois do impeachment, já de posse da segunda versão, os seus principais promotores empreenderam esforços argumentativos de proteção ao documento. Isto com o objetivo de fazer distanciar as suspeitas de ligação do currículo básico com políticas de governo ou de partido político. 

O discurso insistentemente avocado, da previsibilidade em Lei, passou a sustentar tanto a necessidade de pressa para sua efetivação quanto a tese de que a base curricular seria uma política de Estado.

Resumo das principais ações empreendidas por ministros efetivos da Educação e secretários executivos do Ministério d…