Pular para o conteúdo principal

A força política das ONGs e fundações junto ao MEC


Faltam ONGs, Associações e Fundações realmente conservadoras, em quantidade e qualidade suficientes, dispostas a disputarem espaço e forças de poder na educação brasileira. 






Este é um modesto ensaio, ainda em fase de estruturação, de um pensamento que tenho procurado elaborar sobre o papel desempenhado pelas ONGs, colegiados, coletivos e associações ou fundações empresariais na educação nacional.

As entidades organizadas por membros da sociedade civil, classificadas como de interesse social e sem fins lucrativos, passaram a ocupar espaço no desenvolvimento de ações sociais no Brasil na década de 70, visando auxiliar e/ou cobrir falhas e deficiências estatais na prestação de serviços sociais à população.

Na Educação, a participação cada vez mais efetiva das fundações empresariais e dos colegiados deram-se, especialmente, a partir do governo Fernando Henrique Cardoso.

Essas fundações foram se fortalecendo ao longo dos anos e, de características mais ágeis e menos burocráticas que a máquina pública educacional, assumiram o controle do grosso das políticas educacionais.

Hoje, há formada uma rede consorciada de fundações que ultrapassa as fronteiras nacionais e cujos objetivos extrapolam os educacionais e avançam para os econômicos, culturais e políticos.

A estrutura educacional brasileira, sobretudo o MEC, tornou-se dependente das fundações e também de colegiados e coletivos, a exemplo dos Conselhos de Educação, Fóruns de Educação, e Sindicatos de secretários de educação.

As fundações, os colegiados e os coletivos que sempre alinham e compartilham suas pautas e interesses, construíram ao longo dos anos um MEC PARALELO.

Essa divisão não se fez sentir até aqui porque o próprio MEC sempre se conformou com o papel de coadjuvante, endossador ou mero despachante desse compartilhamento na governança da educação.

A julgar pelos discursos da campanha eleitoral, é provável que o novo MEC saído das últimas eleições não abandone a parceria com fundações e ONGs, necessárias em algumas políticas. Por outro lado, não deixe de exigir o protagonismo e liberdade de decisão na relação com esses grupos. 

Este poderá ser um MEC mais próximo das aspirações educacionais correntes no Parlamento e mais sensível aos valores e anseios das famílias. Pelo menos esta foi a promessa de campanha. E, para cumpri-la, precisará retirar do MEC PARALELO o protagonismo na formulação das políticas educacionais.

Neste caso, ou seja, na possibilidade de uma diminuição da influência junto às políticas educacionais do MEC, é natural que as entidades fundacionais e ONGs, especialmente, busquem ampliar os laços com as principais secretarias municipais e estaduais de educação, escancarando uma ainda silenciosa e dissimulada disputa de poder pelo controle das políticas de ensino.

Um exemplo da força dos "sindicatos" de secretários estaduais e municipais de educação e de algumas Fundações e ONGs ocorre neste momento de transição dos governos estaduais e distrital. Essas organizações estão conseguindo influenciar na nomeação de secretários de educação, além de superintendências, subsecretarias, gerências e chefias em diversos estados e no Distrito Federal. Em quase todos os casos, os nomeados são importados de outros estados. 

Esse dado corrobora a tese de que essas entidades atuam em rede, apropriam-se do discurso de eficiência na gestão educacional e contam com flexibilidade e força política capazes de estabelecer parcerias com políticos e partidos da direita e da esquerda.

As fundações, em especial, têm muitos atrativos para oferecer aos principais prefeitos e governadores. No cardápio: indicação de gestores treinados nas suas linhas políticas de formação; ofertas de modelos administrativos e educacionais maturados nas suas pranchetas; financiamento de projetos escolares diversos, dentre eles alfabetização, leitura e escrita; bancos de dados com diagnósticos próprios sobre a educação regional e nacional; encontro de professores para trocas de experiências educacionais de sucesso.

Uma das ações mais efetivas das fundações, especialmente, é o patrocínio de cursos, palestras, encontros, congressos e seminários para professores, políticos e técnicos com postos na estrutura das secretarias de educação. Muitos desses eventos, realizados em hotéis, resorts ou grandes universidades no Brasil e no estrangeiro, livres de custo para os convidados e o setor público.

As fundações sustentam milhares de professores e técnicos em educação, em universidades brasileiras e estrangeiras, com bolsas para mestrado e doutorado e também de desenvolvimento de projetos educacionais. 

Elas contam com o prestígio social e político além da credibilidade econômica e empresarial das suas figuras beneméritas para convencer prefeitos, prioritariamente das maiores cidades e capitais, mas especialmente governadores.

As ações visíveis dessas entidades contam com aprovação popular, da maioria dos profissionais da educação e também dos políticos. Quem delas discorda o faz por oposição ideológica, especialmente pelo alinhamento delas com as políticas educacionais e culturais do globalismo econômico e da ONU.

O discurso público dessas entidades, especialmente o beneficente, é tão bem construído socialmente que os argumentos dos seus críticos ideológicos são, invariavelmente, levados ao descrédito. Tidos como ilógicos ou inverossímeis. Mesmo entre conservadores. Inclusive, entre políticos experientes e reconhecidos como conservadores.


Por que há desconfiança quanto às intenções das ONGs e Fundações Educacionais?

As associações e fundações brasileiras espelham-se nas principais ONGs e fundações americanas e europeias do chamado Terceiro Setor. E costumam juntarem-se àquelas que se dedicam a construir modelos globais de educação.

Modelos estes em sintonia com os desenvolvidos pela ONU através de alguns de seus órgãos e agências como UNESCO, OMS e UNICEF, além do Banco Mundial.

A Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável da ONU, documento este inserido no contexto de formação de uma Nova Ordem Mundial, é um exemplo de direcionamento global das políticas educacionais que é seguido à risca pelas principais ONGs e fundações educacionais brasileiras.

Na busca pelo cidadão universal e a criação de uma nova ordem social, a escola é o lugar mais estratégico de racionalização desse processo. Para tanto, vale o controle e administração dos currículos escolares (a Base Nacional Comum Curricular, a BNCC do Ensino Fundamental, é um exemplo) em oposição aos nacionalismos e as culturas que não sejam hibridas ou imbricadas. Uma revolução silenciosa e eficiente, inspirada no marxismo cultural, que prepara um novo mundo para o futuro a partir da escola.


Há espaço para mudança de filosofia na parceria entre coletivos, ONGs e Fundações Educacionais com o MEC?

Um dos maiores desafios do MEC deverá ser a manutenção de parcerias com instituições dessa natureza, escolhidas a dedo, sem abrir mão da sua autonomia para estabelecer a política educacional do país.

Outro importante desafio poderá ser contar com a parceria de instituições que estejam dispostas a retornarem aos princípios da solidariedade para a solução dos graves problemas educacionais e a deixarem de lado o veio político e ideológico, especialmente o encampado pelo globalismo cultural e econômico.

Isto para evitar que um pequeno grupo de pessoas ligadas às finanças e ao mundo empresarial controlem a educação do povo, em substituição ao parlamento e às famílias.

Uma necessidade urgente é o surgimento de bem estruturadas ONGs e Fundações Educacionais comandadas por empresários verdadeiramente conservadores que estejam dispostos a investir na formação de inteligências conservadoras para aumentar, apurar e fundamentar teoricamente a massa crítica conservadora nacional, oferecendo bolsas de de pesquisa em pós-graduação e financiando projetos educacionais.

Outra necessidade igualmente urgente é a organização e a disseminação de cursos, palestras, seminários, conferências e congressos voltados para a educação, visando estruturar em conhecimento a massa crítica conservadora no país.

Para ambas as necessidades de resistência, seria fundamental a visão, união e a participação desprendida de homens de negócio, intelectuais, escolas, faculdades e universidades conservadoras.

Caso isto não ocorra, sem o equilíbrio das forças discursivas no campo educacional, em pouco tempo o vento conservador que varre a nação poderá ser interrompido pelo ativo e eficiente rolo compressor globalista representado por ONGs, Associações, Fundações, Coletivos e Colegiados que dominam e controlam a produção do conhecimento no país.

ALGUMAS PONDERAÇÕES PARA ESTE ENSAIO:

1ª. - Este trabalho não tem o objetivo de listar as ONGs, Associações ou Fundações que atuam na educação brasileira e sejam comprometidas com as pautas do globalismo econômico, Marxismo Cultural ou Nova Ordem Mundial.

No entanto, entende que esta é uma tarefa necessária para distingui-las das congêneres que não tenham essas ligações políticas e ideológicas.

O mundo da escola e da família precisa conhecer as vertentes políticas e ideológicas das entidades e/ou grupos que se dedicam ao desenvolvimento de projetos e políticas educacionais.  

2ª. - Este trabalho acredita que haja ONGs, Associações ou Fundações tão somente preocupadas em auxiliar o país no desenvolvimento dos seus processos educacionais. Organizações que não estejam dispostas a disputar o poder político/econômico da Educação, inclusive com o próprio Governo. E estas devem ser valorizadas.

3ª. - Atualmente há esforços, ações e projetos educacionais realizados por entidades dessa natureza perfeitamente adequados às necessidades e aos propósitos nacionais. Estas iniciativas devem ser identificadas e igualmente valorizadas. 


Orley José da Silva,
é professor em Goiânia, mestre em letras e linguística (UFG) e doutorando em ciências da religião (PUC Goiás).

 


Comentários

  1. Prof. Orley o seu artigo é um presente de Ano Novo! Precisa chegar às assessorias do Ministério da Educação e do Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos, URGENTE!
    #Tamojunto

    ResponderExcluir
  2. Conte conosco, estaremos envolvidos

    ResponderExcluir
  3. É uma boa discussão mesmo porque tánta gentes trabanhando ganhando com a educação e o encino brasileiro de baixa qualidade só os governos incompetente que consegue gastaram muito produzir pouco e de baixa qualidade.

    ResponderExcluir
  4. É uma boa discussão mesmo porque tánta gentes trabanhando ganhando com a educação e o encino brasileiro de baixa qualidade só os governos incompetente que consegue gastaram muito produzir pouco e de baixa qualidade.

    ResponderExcluir
  5. O que significa fundamentar a massa crítica conservadora? Pode explicar?

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Quando a família do aluno processa a escola por danos morais

Conheça dois modelos de "notificação extrajudicial" que poderão ser usados no relacionamento entre a família e a escola, no sentido de proteger o aluno especialmente contra a doutrinação política, partidária e de gênero.




O Procurador da República Guilherme Schelb desenvolveu um modelo de "notificação extrajudicial" para que pais e/ou responsáveis protejam os filhos contra o ensino da Ideologia de Gênero pelas escolas. Por este simples documento, escolas e professores são notificados pelas famílias de processá-los por danos morais pelo ensino dessa ideologia que visa, através da educação, promover uma revolução sexual e familiar. Isto a partir das crianças e adolescentes.
Caso professores e escolas se recusem a assinar o documento, há duas atitudes que os pais e/ou responsáveis poderão tomar para que o documento tenha validade jurídica. A primeira, é dirigirem-se ao Cartório de Registro de Títulos e Documentos com o nome e endereço da escola, para que a escola seja c…

ONG feminista "Católicas pelo direito de dedicir" em livro didático do MEC para 2020

Esta é a quarta de quatorze postagens que este blog apresenta sobre alguns temas abordados pelos livros didáticos recomendados pelo MEC (PNLD/2020) para os anos finais do Ensino Fundamental  (6º ao 9º ano), com validade de quatro anos: 2020 à 2023. 
Leia antes as três postagens anteriores ( a 1ª , a 2ª  e a 3ª. )

O movimento feminista nos livros didáticos de 2020
Trata-se da primeira remessa de livros em conformidade com a versão homologada (dez/2017) da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) para a Educação Infantil e o Ensino Fundamental, crianças de 0 a 14 anos. 



O objetivo desta postagem é mostrar a presença da ONG feminista Católicas pelo Direito de Decidir no currículo dos anos finais do Ensino Fundamental, em páginas de um livro de Língua Inglesa   do PNLD/2020.

É de conhecimento público que esta ONG não conta com o apoio oficial da Igreja Católica Romana. Composta por um grupo minoritário de autodeclarados católicos, tem como pauta principal a defesa do aborto.

No entanto, no seio da…

Engajamento político e militância no livro didático do MEC de 2020

O livro didático de 2020 amplifica e normaliza em sala de aula as discussões políticas e ideológicas. Mas vai além: com a alegação de despertar no aluno a consciência crítica, incentiva-o a engajar-se em movimentos sociais, lutas políticas e de classe. 





Com a atitude de fundamentar a crítica política e social em sala de aula infanto-adolescente, em conformidade com a Teoria Crítica, o PNLD/2020 dificulta iniciativas contestatórias da sociedade civil, a exemplo das associações de pais e do Escola Sem Partido. 




É importante observar a intencionalidade do jogo semiótico e semântico presente na construção dos capítulos dos livros. 
Não é aleatória a escolha de bandeiras, símbolos, cores, gestualidades das pessoas,  imagens e passeatas que se identificam com cenários de manifestações públicas organizadas pela esquerda política brasileira e internacional.
Também não é sem propósito ideológico a seleção de termos e palavras encontrados nos livros didáticos: militância, ativismo, cidadão crítico,…

Fake news no livro didático do MEC para 2020

Esta é a segunda de quatorze postagens que este blog apresenta sobre alguns temas abordados pelos livros didáticos recomendados pelo MEC (PNLD/2020) para os anos finais do Ensino Fundamental  (6º ao 9º ano), com validade de quatro anos: 2020 à 2023. 


Leia: Editais de materiais didáticos que se se estendem até 2023

Trata-se da primeira remessa de livros em conformidade com a versão homologada da Base Nacional Comum Curricular (BNCC).
Esse conjunto de postagens tem sido feito exclusivamente com livros de Língua Inglesa e Língua Portuguesa. Os livros das demais disciplinas serão analisados em outra oportunidade. 
Os livros são organizados em capítulos. Cada um deles, além de contemplar um aspecto gramatical é regido por um tema específico.  
Alguns dos temas recorrentes nos capítulos do 6º ao 9º ano são: fake news, aquecimento global, globalização, multiculturalismo, interculturalismo, gênero, feminismo, racismo, discriminação, cidadania global, direitos humanos, engajamento em protestos polít…

O movimento feminista no livro didático do MEC para 2020

Esta é a terceira de quatorze postagens que este blog apresenta sobre alguns temas abordados pelos livros didáticos recomendados pelo MEC (PNLD/2020) para os anos finais do Ensino Fundamental  (6º ao 9º ano), com validade de quatro anos: 2020 à 2023. 
Trata-se da primeira remessa de livros em conformidade com a versão homologada (dez/2017) da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) para a Educação Infantil e o Ensino Fundamental, crianças de 0 a 14 anos. 
O objetivo desta postagem é mostrar a presença do feminismo no currículo dos anos finais Ensino Fundamental, através de páginas escolhidas em 10 livros diferentes de Língua Inglesa e Língua Portuguesa do PNLD/2020.
Esta postagem, neste momento, não analisará pontualmente as páginas e imagens apresentadas, deixando essa tarefa por conta do leitor e dos especialistas em educação.  
A observação da existência de um modelo gradativo de ensino que vem desde a Educação Infantil permite supor que, ao final do Ensino Fundamental, os alunos terão c…

Tábata Amaral aparece em livro didático do MEC de 2020

Esta é a primeira de uma série de 14 postagens que este blog realiza sobre ocorrências "questionáveis" nos livros didáticos reconhecidos pelo MEC/2020, anos finais do Ensino Fundamental, com validade para um período de 4 anos: 2020 a 2023. 



O livro de Língua Inglesa "BECOME", da Editora FTD, do PNLD 2020, cuja coleção tem o código 0357P20092, é destinado ao 7º ano do Ensino Fundamental. Ao longo das páginas 18-31, apresenta uma lição que trata da importância da Língua Inglesa para a inserção social e a formação de cidadãos globais, em consonância com a Base Nacional Comum Curricular (BNCC).
edital de convocação 01/2018 SEB/MEC  deu origem a este livro. A finalização do processo de escolha deu-se por meio da Portaria nº 27/2020 SEB/MEC PNLD 2020. Um edital que teve início no governo Temer e terminou no governo Bolsonaro.
Leia:  Editais de materiais didáticos que se estendem até 2023
O livro propõe ao aluno não somente a leitura mas também a reflexão sobre perfis public…

A BNCC em um voo de galinha da direita brasileira

No final de 10 anos, praticamente toda a população brasileira abaixo dos 25 anos terá sido escolarizada em conformidade com os desdobramentos da Escola de Frankfurt), o universalismo cultural e a Agenda 2030 de desenvolvimento sustentável da Unesco.



Prevista em Lei,[i] a Base Nacional Comum Curricular (BNCC),[ii] obrigatória para a Educação Infantil e o Ensino Fundamental (crianças de 0 a 14 anos) de todas as creches e escolas públicas e privadas, com validade a partir de janeiro de 2020, foi aprovada pelo Conselho Nacional de Educação (CNE)  no dia 15 de dezembro de 2017 e homologada cinco dias depois[iii] pelo Ministro da Educação (MEC), Mendonça Filho.
Os dois anos seguintes à homologação[iv] foram dedicados para: 1) ajustar os currículos de todas as creches e escolas do país à BNCC; 2) adequar os conteúdos dos materiais didáticos; 3) mudar as avaliações institucionais da Educação Infantil e do Ensino Fundamental; 4) reformular os currículos de licenciatura das faculdades e universid…

Livros do MEC de 2019 trazem cardápio religioso para as crianças

Em atendimento à proposta de ensino religioso da BNCC, diferentes crenças, ritos e tradições religiosas são apresentadas às crianças pelos livros didáticos do PNLD/MEC do quadriênio 2019/22. Tudo de acordo com a visão materialista das ciências humanas e sociais.

Durante a elaboração da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), havia a possibilidade de escolher entre pelo menos quatro alternativas para o Ensino Religioso.
A primeira, esquivar-se do tema deixando que escolas e sistemas educacionais se organizassem livremente de acordo com a legislação vigente. 
A segunda, acompanhar a interpretação do Superior Tribunal Federal (STF) pela constitucionalidade do ensino confessional nas escolas por ocasião do julgamento da Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 4439, que decidiu pela constitucionalidade do ensino religioso confessional nas escolas oficiais do país. 
 A terceira, apresentar um estudo eminentemente histórico e descritivo das religiões, de maneira isonômica. 
A quarta, questiona…

Afinal, o que mais incomoda aos conservadores na BNCC?

O Censo Escolar (INEP/MEC, 2018) conta 36 milhões de alunos matriculados na Educação Infantil e no Ensino Fundamental, crianças de 0 a 14 anos. Estes dois grupos de alunos representam aproximadamente 17% da população brasileira.  
Em 10 anos, não será surpresa se a população abaixo dos 25 anos estiver próxima aos valores políticos e sociais encontrados em segmentos da Escola de Frankfurt, ao universalismo cultural e à Agenda 2030 para o desenvolvimento sustentável da Unesco.
A BNCC (da Educação Infantil e o Ensino Fundamental) organiza-se, implícita e explicitamente, com pelo menos essas correntes filosóficas e pedagógicas: materialismo dialético, teoria crítica, socioconstrutivismo, sociointeracionismo, relativismo, evolucionismo, desconstrutivismo, multiculturalismo, interculturalismo e politicamente correto. 

Portanto, por mais que os governos direitistas avancem na economia, justiça, segurança, infraestrutura e no comércio... Por mais que ressaltem o nacionalismo e os valores conserv…

Ocultismo e assassinato em contos para alfabetização e letramento na escola pública

Um livro de contos macabros, com requintes de terror e pânico para crianças em fase final de alfabetização e letramento de escolas públicas, vem recebendo severas críticas de pais, professores e políticos. Essa reprovação acontece porque, na intenção deliberada de provocar medo no leitor, os organizadores recorreram a relatos de magia negra, bruxaria, feitiçaria, sacrifício com sangue humano e de animais, aparição de espíritos, demonismo, maldade com pessoas e animais, além de assassinatos.
O programa escolar de leitura e escrita que resultou no livro de contos BÚ! Histórias de Medo e Coragem, é uma iniciativa da empresa espanhola de energia, Endesa Brasil, em parceria com o Ministério da Cultura e publicado com ajuda da Lei de Incentivo à Cultura. Desde o começo deste ano, a obra é distribuída para escolas públicas e utilizada no processo de alfabetização e também letramento de crianças do 4º e 5º anos do Ensino Fundamental.
No ano passado, a empresa realizou um concurso literário em 5…